Crime do ‘Bolo de pote’ – suspeita de envenenar pai e avó do ex fingiu gravidez: ‘amava a família’

Amanda foi presa na quarta-feira e Polícia Civil de Goiás acredita que ela tenha envenenado as vítimas.

PUBLICIDADE

Amanda Partata Mortoza, de 31 anos, foi presa sob suspeita de envenenar e causar a morte do ex-sogro, Leonardo Pereira Alves e da mãe dele, Luzia Tereza Alves. Após terminar o relacionamento com o filho da vítima, Amanda teria simulado uma gravidez.

PUBLICIDADE

Contudo, exames realizados pela Polícia Civil revelaram que a gestação era falsa e que ela só mentiu para continuar próxima da família. A advogada não sabia lidar com o sentimento de rejeição depois que o namorado terminou o relacionamento.

Ex-sogro e a mãe dele morreram

A mãe e o filho foram hospitalizados com sintomas como dores abdominais, vômitos e diarreia, falecendo no mesmo dia que comerem o café da manhã levado por Amanda, no domingo (17). Acredita-se que ela envenenado o suco que eles tomaram. A polícia investiga ameaças prévias feitas por Amanda, que utilizava perfis falsos e tecnologia para ocultar sua identidade.

O crime ocorreu durante um café na casa da família da vítima, onde Amanda esteve presente. Os exames para detectar veneno nos alimentos e a necropsia estão em andamento. Amanda foi levada para uma clínica psiquiátrica pela família após tentativa de suicídio, na quarta-feira (20). No mesmo dia, ela foi presa.

Amanda nega o crime

A suspeita nega as acusações, apresentando-se como psicóloga e terapeuta cognitiva, e refuta sua participação nos homicídios. “Amava a família”, teria declarado Amanda ao ser detida. A polícia investiga outros possíveis crimes cometidos por Amanda em diferentes estados do Brasil. Neste caso específico, ela pode responder por duplo homicídio.

PUBLICIDADE