Luta antiracista é tema de sessão solene no Senado

A data lembra Massacre de Shaperville, na Africa do Sul.

PUBLICIDADE

A luta de décadas em esforços individuais e coletivos para combater o racismo, o preconceito e a discriminação, ainda enraizados na sociedade, foram destacadas durante sessão especial do Senado que celebrou o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, nesta segunda-feira (20). A data, 21 de março, definida pela Organização das Nações Unidas ( ONU), lembra o chamado Massacre de Shaperville, na África do Sul. A tragédia resultou em 69 pessoas mortas e mais de 180 feridas após um protesto contra uma lei que limitava os lugares onde os negros podiam andar. O episódio atraiu a atenção da opinião pública mundial para o apartheid — sistema de segregação racial que vigorou na África do Sul entre 1948 e 1994.

PUBLICIDADE

“O racismo é repugnante, traiçoeiro, mesquinho, desumano. O racismo, o preconceito e a discriminação continuam a impregnar de ódio, de violência e de intolerância a sociedade e as instituições. Estão enraizados, presos às cotidianas estruturas políticas, sociais e econômicas, agridem, reprimem, verbalizam iras e sentimentos viscerais de repulsa e aversão contra negros e negras, quilombolas, indígenas, LGBTQI+, mulheres, pessoas com deficiência, idosos, pobres, asiáticos, judeus, palestinos, migrantes e refugiados, as chamadas minorias étnicas”, destacou o senador, Paulo Paim, autor da homenagem.

Brasil Quilombola

Secretária-executiva do Ministério da Igualdade Racial, Roberta Eugênio considerou a promoção dos direitos iguais para todos um dos desafios institucionais mais ousados e mais urgentes no Brasil. Para ela, apesar de ainda não ser o ideal, o Ministério da Igualdade Racial está hoje com o maior orçamento que teve história. “Lançaremos uma série de atos normativos, como o Programa Brasil Quilombola, a titulação de cinco territórios quilombolas, a criação de grupos de trabalhos interministeriais, com a retomada do Plano Nacional de Ações Afirmativas, do Plano Juventude Negra Viva, entre outros”, adiantou.

PUBLICIDADE

Frente Parlamentar

Também presente a sessão, a ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, destacou que a data não é um dia de comemoração. Ela comemorou a criação da Frente Parlamentar Mista Antirracista do Congresso que vai ser instalada em abril. “É um avanço, é um compromisso político ético muito importante nesta caminhada rumo à eliminação, à superação do racismo na nossa sociedade, nas instâncias políticas, na educação e nos mais diversos setores da nossa sociedade”, afirmou.

Publicado em 20/03/2023 – 14:35 Por Karine Melo – Repórter da Agência Brasil – Brasília 

Edição: Valéria Aguiar