Recém-nascida é encontrada sem vida em caixa de papelão, ao lado de mamadeira e fraldas: ‘Vi o pezinho roxinho’

Ela estava molhada e enrolada em panos quando foi encontrada por um morador.

PUBLICIDADE

Uma triste descoberta chocou os moradores do Residencial Primavera, em Goiânia (GO), nesta segunda-feira (13). Uma bebê recém-nascida foi encontrada morta dentro de uma caixa de papelão, abandonada em frente a uma casa. De acordo com a Polícia Civil, a criança tinha cerca de cinco dias de vida e estava molhada e enrolada em panos, sob a bica de uma calha de um telhado.

PUBLICIDADE

O morador da residência, que encontrou a bebê, relatou que voltava da padaria quando viu uma caixa de papelão na porta de casa. Ele inicialmente pensou que se tratava de um boneco, mas ao se aproximar, se deparou com a bebê já sem vida.

Morador detalha como encontrou a recém-nascida

“Vi o pezinho roxinho e fiquei sem reação no momento. Não dava para perceber que era uma criança se não chegasse perto”, detalhou Pedro Pinheiro.

PUBLICIDADE

A Polícia Militar foi acionada e confirmou o óbito da criança no local, que já apresentava rigidez cadavérica. Ao lado da caixa onde a bebê foi encontrada, havia uma sacola com vestimentas, fraldas e uma mamadeira, segundo a polícia.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios, que busca imagens de câmeras de segurança para encontrar a pessoa que abandonou a bebê. A polícia pede a colaboração da população para obter informações que possam ajudar na identificação da pessoa responsável pelo abandono.

Pena prevista é de detenção de seis meses a três anos

O abandono de recém-nascidos é considerado um crime no Brasil, de acordo com o artigo 133 do Código Penal. A pena prevista para esse tipo de crime é de detenção de seis meses a três anos.

Além da pena de detenção, o abandono de recém-nascidos também pode resultar em sanções civis e administrativas. O responsável pelo abandono pode ser obrigado a pagar indenizações por danos morais e materiais, além de perder a guarda do bebê, caso já seja o responsável legal pela criança.