Anvisa fará webinar sobre novas regras de reprodução humana assistida

Encontro virtual será nesta segunda-feira .

PUBLICIDADE

O câncer de mama é a neoplasia mais frequente entre as mulheres no Brasil, além de ser a principal causa de morte por câncer em todas as regiões, exceto na Região Norte, onde o câncer do colo do útero ocupa a liderança. Estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca) aponta para o surgimento de 74 mil casos novos por ano de câncer de mama no país, no triênio 2023/2025.

PUBLICIDADE

De acordo com o Inca, a taxa de mortalidade por câncer de mama, ajustada pela população mundial, atingiu 11,84 óbitos por 100.000 mulheres, em 2020, com as maiores taxas registradas no Sudeste e no Sul, da ordem de 12,64 e 12,79 óbitos por 100.000 mulheres, respectivamente.

Neste domingo (5), quando se comemora o Dia Nacional da Mamografia, o diretor executivo da Fundação do Câncer, Luiz Augusto Maltoni, disse à Agência Brasil que o objetivo da data é chamar a atenção para a importância do exame das mamas. Segundo Maltoni, a primeira função principal da mamografia se refere às mulheres que têm algum tipo de sinal ou sintoma, como presença de nódulos ou dor nos seios.

“Para essas mulheres, (o exame) já é um dos melhores métodos de diagnóstico do câncer da mama. A mamografia bem-feita, com qualidade, consegue definir bem nódulos, presença de alterações. A mamografia é um exame excelente para o estudo das mamas naquelas mulheres que têm algum sintoma e para as quais ele foi indicado pelos seus médicos”.

Outro aspecto considerado por Maltoni, “talvez o mais importante na mamografia” é o que fala da detecção precoce, do rastreamento. “São os exames realizados nas mulheres que não sentem absolutamente nada, estão assintomáticas, não notaram nenhuma alteração nas mamas e estão levando a vida normalmente”. Para essas mulheres sem sintomas, o Ministério da Saúde recomenda que a mamografia de rastreamento, ou precoce, seja feita a cada dois anos, na faixa etária entre 50 e 69 anos de idade.

PUBLICIDADE

O diretor-executivo da Fundação do Câncer destacou que nas mulheres em que existe uma história familiar para câncer de mama, especialmente na linha direta de parentesco, a mamografia deve ser antecipada para a faixa acima de 35 anos.

“A importância da mamografia é essa: tanto no diagnóstico das lesões que já estão dando sintomas e sinais, como, sobretudo, para poder identificar precocemente alguma alteração nas mulheres que não sentem nada”. Lembrou ainda que é fundamental complementar a mamografia com o exame clínico das mamas por um profissional de saúde pública treinado. O exame está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) e na saúde complementar.

Sinais e sintomas

A ginecologista e obstetra Carla Maria Franco Dias lembrou que os principais sinais e sintomas suspeitos de câncer de mama são caroços (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor; pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja; alterações no bico do peito ou mamilo; e saída espontânea de líquido de um dos mamilos. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou na região das axilas.

Médica associada da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e professora do Instituto de Educação Médica (Idomed), Carla apontou que a detecção precoce e o tratamento adequado do câncer de mama possibilitam alta chance de cura e sobrevida em relação à doença.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fará um webinar nesta segunda-feira (6), a partir das 15, para tratar da nova norma sobre reprodução humana assistida. Durante o seminário, o regulamento será apresentada por Renata Parca, que há 17 anos integra a área responsável pelo tema. A moderação será feita pelo gerente da área de Sangue, Tecido, Células, Órgãos e Produtos de Terapias Avançadas, João Batista da Silva Júnior.

Segundo a Anvisa, as novas regras têm como objetivo dar mais segurança sanitária, acessibilidade e dinamismo ao processo de reprodução humana assistida, em vista da sua demanda crescente pela população. A legislação também foi atualizada contemplando as mudanças no setor, que está sempre se modernizando quanto a novas técnicas, terapias e tecnologias.

Entre os temas que serão discutidos no seminário está o novo modelo de importação de gametas e embriões, as atualizações com relação aos testes laboratoriais de pacientes e doadores de gametas, e a necessidade de um profissional responsável pela garantia da qualidade nos estabelecimentos. No Brasil, há 183 Centros de Reprodução Humana Assistida (CRHAs) em funcionamento, conforme dados do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio) da Anvisa.

A participação do webinar pode ser feita por este link no dia e horário do evento.

Publicado em 05/02/2023 – 19:45 Por Agência Brasil – Brasília Edição: Fábio Massalli