Primeira-dama mostra recuperação do Planalto após atos terroristas

‘Baderna ocorrida aqui nunca mais vai se repetir’, afirma Janja em vídeo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A primeira-dama do Brasil Janja Lula da Silva divulgou, nesta segunda-feira (9), um vídeo que mostra o trabalho de limpeza e restauração da ordem no Palácio do Planalto após os atos de vandalismo ocorridos em todo o prédio. Janja conversou com alguns funcionários da limpeza, que expuseram sua tristeza pelo ocorrido.

O vídeo mostra um Planalto já bem diferente do cenário de guerra visto nas imagens de ontem (8), tudo graças ao trabalho desses funcionários. “A democracia não vai se curvar, e o presidente Lula não vai baixar a cabeça”, disse Janja. “Seguimos trabalhando. O Brasil segue em reconstrução”, afirmou.

Os corredores e salas, antes revirados, sujos e cheios de móveis e objetos quebrados, já tinham novamente aspecto organizado. “A baderna que se deu aqui ontem nunca mais vai se repetir na história do Brasil”, finalizou a primeira-dama.

PUBLICIDADE

Congresso

Na Câmara dos Deputados e no Senado, o trabalho de limpeza e organização também avançava rápido. O Salão Verde da Câmara já estava limpo na parte da tarde. Funcionários aspiravam o carpete do local.

O sinal da violência sofrida pelo patrimônio nacional, porém, ainda estava ali. A maquete do Congresso Nacional estava danificada. Uma vitrine com vários presentes dados à Câmara por chefes de Estado estrangeiros foi destruída. Só restavam as prateleiras vazias.

No Senado, os espelhos que adornam as paredes do Salão Azul estão quebrados. A máquina de raio-X na entrada do local está virada e a entrada do gabinete da presidência do Senado, destruído.

Portas de vidro foram arrancadas e móveis vandalizados, mas os destroços de vidro e a sujeira já haviam sido retirados. Um jornalista se aproximou de um dos funcionários que cuidam da limpeza do Congresso e elogiou o trabalho. Ele apenas agradeceu, acenando com a cabeça, triste e resignado.

Publicado em 09/01/2023 – 21:04 Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil – Brasília


Edição: Nádia Franco