Criança é abusada por idoso de 72 anos enquanto dormia: ‘fortes dores e inchaço nas partes íntimas’

A menina de 11 anos é portadora de uma doença que lhe causa convulsões e dormia profundamente sob efeito dos remédios durante o grave crime.

PUBLICIDADE

Um idoso de 72 anos foi detido pela Polícia Civil do Distrito Federal por suspeitas de abuso de vulnerável. A vítima é uma menina de 11 anos, vizinha do homem. A criança dormia sob o efeito de medicamentos no momento do crime. Aproveitando-se da vulnerabilidade, o acusado foi até o local e teria se aproveitado da situação.

PUBLICIDADE

O crime ocorreu no mês de setembro, mas as autoridades policiais foram cientificadas depois de vários dias. A descoberta ocorreu graças aos funcionários do pronto-socorro pediátrico do Hospital Regional de Sobradinho. Internada, a menina passou por exames que atestaram a presença de uma grave e infecciosa doença contraída durante o abuso.

Em coletiva de imprensa, o delegado de polícia Laércio Carvalho, chefe da 35ª Delegacia de Polícia (Depol) de Sobradinho 2 e responsável pelo acompanhamento do caso, afirmou que a vítima e a irmã foram dormir na casa de uma amiga, vizinha de ambas, onde assistiriam televisão.

De acordo com as investigações, havia uma relação de confiança entre as duas famílias: “a mãe da vítima confiava bastante no pai da vizinha, o qual se mostrava gentil e caridoso com a família. As investigações constataram que foi exatamente esse vizinho o autor”, relatou o delegado de polícia Laércio Carvalho, chefe da 35ª Delegacia de Polícia (Depol) de Sobradinho 2, durante coletiva de imprensa.

Vítima toma remédios contra convulsões

De acordo com a autoridade policial, a criança é portadora de uma doença que lhe causa convulsões. Por isso, toma remédios contra a enfermidade que lhe causam sonos profundos como efeitos colaterais. Quando acordou, a menina deparou-se com suas genitálias doloridas e inchadas, fruto do crime que acabara de ser vítima.

PUBLICIDADE

O Poder Judiciário do Distrito Federal expediu mandado de prisão preventiva contra o acusado. Ele deve responder pelo crime de abuso de vulnerável e, caso seja condenado, a pena pode chegar a 20 anos de prisão.