in

Grades sacudidas, vaias e xingamentos: anestesista que abusou de paciente é hostilizado por outros presos

Detentos protestaram na chegada de Giovanni Quintella Bezerra ao presídio.

TV GLOBO

Um caso absurdamente repugnante chocou os brasileiros no início desta semana, quando o médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra foi preso em flagrante após abusar sexualmente de uma mulher que acabara de dar à luz, ainda na mesa do parto. Foi a própria equipe do parto quem denunciou o anestesista.

Publicidade

Desconfiadas da alta dosagem de sedativos que Giovanni Quintella aplicava nas pacientes, as enfermeiras do Hospital da Mulher Heloneida Studart deixaram um celular escondido gravando uma das cesáreas daquele dia e flagraram o crime do anestesista.

A chegada de Giovanni Quintella Bezerra a Bangu 8, no Complexo de Gericinó, na Zona Oeste do Rio, não foi nada tranquila. O criminoso foi transferido para o local por volta das 21h15 desta terça-feira (12/07), após ter passado por uma audiência de custódia.

Publicidade

Quando Giovanni pisou no local, houve uma grande revolta por parte dos outros prisioneiros. Como forma de protesto, os detentos começaram a vaiar e xingar o anestesista, além de sacudir as grades das celas. O anestesista foi enviado para essa prisão por ser a cadeia que recebe presidiários com curso superior. Mesmo assim, Giovanni deve permanecer em uma cela sozinho.

Publicidade

Além do crime de estupro pelo qual o anestesista foi preso, Giovanni Quintella Bezerra vem sendo investigado por outros cinco possíveis casos semelhantes que ocorreram nas unidades em que ele trabalhou. Ainda na terça-feira, o médico anestesista teve a sua prisão convertida de flagrante para preventiva. Com essa mudança, Giovanni permanecerá preso por tempo indeterminado, tendo a situação reavaliada caso ultrapasse 90 dias de prisão.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com