in

SP: comitê científico sugere volta do uso de máscara em local fechado

Proteção continua obrigatória em hospitais e meios de transportes.

© Rovena Rosa/Agência Brasil

O Comitê Científico do Estado de São Paulo recomendou a volta do uso de máscaras em estabelecimentos fechados. A medida não é obrigatória, exceto em ambientes hospitalares e no transporte público, onde o uso do item de proteção é indispensável.

Publicidade

Em São Paulo, a obrigatoriedade do uso de máscaras em locais fechados foi revogada em17 de março deste ano, após queda dos índices de contaminação e de mortes causadas pela covid-19 no estado.

Alta de internações

Porém, desde o início de maio, vem crescendo o número de internações causadas por infecções pelo novo coronavírus. No primeiro dia do mês, a média móvel de internações diárias estava em 170 por dia e ontem (31) chegou a 404. Em abril, a média era de 146 internações a cada dia, o menor número apresentado desde o início da pandemia de covid-19.

Publicidade

Desde fevereiro, o número vinha caindo de forma constante, mas, no mês de maio, inverteu-se a tendência de queda. O pico de internações foi na segunda onda da pandemia, em março do ano passado, quando a média era de 3.381 internações por dia, e o Brasil iniciava a vacinação contra a covid-19. Neste ano, o pico foi em janeiro, com média de 1.521 internações a cada dia.

Publicidade

Vacinação

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, o estado tem cerca de 2,7 milhões de pessoas que ainda não tomaram a segunda dose da vacina contra a covid-19, a maior parte deles (1,2 milhão), crianças e jovens entre 5 e 17 anos.

Publicidade

Há também no estado 10 milhões de pessoas elegíveis para tomar a dose adicional e 3,3 milhões aptas a receber a quarta aplicação de imunizante que ainda não procuraram uma unidade de saúde.

Publicado em 01/06/2022 – 13:27 Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil – São Paulo. Edição: Nádia Franco.

Publicidade

Escrito por Agência Brasil

Agência pública de notícias da EBC. Informações sobre política, economia, educação, direitos humanos e outros assuntos.