in

Mulher afirma que bebê foi roubado após dar à luz em carro de aplicativo; hospital nega gravidez

A mulher afirmou que foi sequestrada e que teve o recém-nascido levado após o parto.

Reprodução G1

Uma mulher de 40 anos foi achada na noite desta última terça-feira, 3 de maio, por agentes da Polícia Militar, em São Vicente, município que fica localizado na região litorânea do estado de São Paulo. A técnica de enfermagem disse aos policiais que seu bebê foi roubado depois do parto. A PM fez buscas na localidade apontada por ela, mas nada foi encontrado.

Publicidade

Ela foi encaminhada para atendimento médico no hospital. No entanto, segundo exames realizados na unidade, não há indícios de que a técnica de enfermagem estivesse grávida. Deise do Espírito Santo estaria com oito meses de gestação. Ela é moradora da cidade de Santo André e saiu de sua residência após começar a sentir contrações.

Rodrigo Morais, de 38 anos, namorado da mulher, disse ao portal de notícias G1 que ela teria entrado em um carro de aplicativo aproximadamente às 11h30. Ela iria ao Hospital e Maternidade Christóvão da Gama. “Ela entrou em trabalho de parto, pegou um táxi [era corrida por aplicativo] e o motorista disse que iria parar para abastecer, mas não o fez. Ele andou mais um pouco e pegou uma mulher, que entrou o carro e anunciou o sequestro”, relatou o homem.

Publicidade

Segundo o namorado de Deise, ela se lembra somente de ter os olhos vendados. Ela teria tido o bebê dentro do carro e depois abandonada em São Vicente. Rodrigo disse, ainda, que a companheira entrou em contato e relatou o que tinha ocorrido. A Polícia Militar foi acionada por Morais aproximadamente às 19h. Eles chegaram a fazer buscas pela região, mas não encontraram nenhuma pista.

Publicidade

Secretaria de Saúde emite comunicado

Segundo a nota, a mulher apresentou um bom estado de saúde após avaliação médica. Já o teste ginecológico não apontou nenhuma laceração, apenas um sangramento discreto e pouca dilatação uterina. A unidade fez a internação da paciente para receber suporte clínico, porém, ela teria recusado e fugido do local por volta das 21h30.

Publicidade

Contudo, após 20 minutos decidiu retornar ao local e aceitou a internação. Uma nova avaliação foi realizada e, após ser submetida a exames de sangue, ficou constatado que não ter nenhum sinal de gestação ou mesmo dilatação do útero que apontasse um trabalho de parto.

Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.