in

Mulher que teve relação com morador de rua conta tudo o que se lembra do ato em si: ‘Eu acreditava que era Deus’

Sandra Mara contou o que se lembra da noite em que teve um surto psicótico.

YOUTUBE | SBT | METRÓPOLES

Após ficar internada por cerca de um mês e meio em um hospital psiquiátrico, a mulher que foi flagrada pelo marido tendo relação sexual com um morador de rua enfim teve alta e pôde dar a sua versão dos fatos. Durante esta semana, a empresária Sandra Mara reativou sua conta no Instagram, onde já conta com mais de 271 mil seguidores, deu entrevista para o SBT e também falou com o Cidade Alerta, da Record TV.

Publicidade

Em ambas as entrevistas, Sandra Mara contou que mesmo depois da alta médica continua tomando uma medicação, e terá que continuar tomando para o resto da vida para não correr o risco de ter um surto parecido. Ela foi diagnosticada com transtorno afetivo bipolar, que, com a evolução, gerou o surto psicótico.

Sobre a noite do ocorrido, Sandra revelou ao Cidade Alerta que se lembra apenas de flashes, mas que em momento nenhum percebeu estar tendo relação com um morador de rua. “Para mim, quem estava comigo ali era meu marido”, contou a empresária, afirmando que quando colocou o ex-sem-teto Givaldo Alves dentro do seu carro, na sua cabeça quem estava com ela era o personal trainer Eduardo Alves, seu marido.

Publicidade

Depois, quando os dois começaram a conversar dentro do carro, Sandra Mara passou a ver a imagem de Deus naquele homem. “Eu só via que ele era Deus, por isso que eu me ajoelho no chão”, disse ela, relembrando o momento em que seu marido chega e começa a espancar o morador de rua. Nesse momento Sandra sai do carro e se ajoelha no chão. Na cabeça dela, ela se ajoelhou para orar para que seu marido não matasse Deus.

Publicidade

“Eu acreditava que era Deus que estava apanhando ali…e que ele estava fazendo mal para Deus”, revelou a empresária.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com