in

Menina que perdeu a perna em carro alegórico sentou para tirar foto; ‘Ainda está grave’, diz amiga da mãe dela

Daiane, que acompanhou Raquel na ambulância, detalhou o ocorrido e se queixou da falta de assistência da escola de samba envolvida.

YouTube / Fala Brasil

Raquel Antunes Silva, de 11 anos, que acabou tendo a perna amputada após sofrer um acidente em um carro alegórico na última quarta-feira (20), havia sentado no carro para tirar uma foto. A informação foi passada por Daiane da Costa, uma amiga da mãe da menina. Após o acidente, vídeos foram gravados e compartilhados nas redes sociais. Nas imagens, é possível ver marcas de sangue, o carro alegórico todo arranhado e ainda chinelos que, supostamente, seriam de Raquel.

Publicidade

Daiane contou que elas estavam na praça, que fica localizada na Rua Frei Caneca. No local, elas compraram lanches e a menina ficou brincando com alguns coleguinhas. As crianças começaram a caminhar em direção ao carro alegórico e, neste momento, Raquel teria se sentado para tirar uma foto. “Não viram que ela estava sentada”, desabafou Daiane, ao dizer que eles começaram a empurrar o carro alegórico de frente para trás. A menina teve a perna prensada no poste. Raquel ainda permaneceu por algum tempo presa, mas caiu logo após terem puxado o carro.

Foi Daiane quem acompanhou a menina na ambulância até a unidade hospitalar Souza Aguiar, localizada no Centro do Rio de Janeiro. A amiga da família diz que Raquel sofreu uma fratura exposta e, inclusive, que Marcela Portelinha, mãe da menina, desmaiou por várias vezes desde que aconteceu o acidente. Daiana diz que ela está traumatizada com o ocorrido.

Publicidade

Ao comentar sobre o assunto, Daiane aproveitou para destacar o seu descontentamento com a falta de informações durante os procedimentos médicos realizados na menina durante a noite. Além disso, ela ainda comentou sobre a falta de assistência da escola de samba.

Publicidade

Daiane diz que eles só falam que a menina “está estável e ainda está grave”, ressaltando que não estão dando notícias mais detalhadas. “Ninguém da escola foi lá”, disparou a amiga da família, ao comentar sobre a falta de assistência no caso.

Publicidade

Publicidade