Estudante de 14 anos é picada por inseto durante atividade escolar e corre grande risco de amputar a perna

A mãe da adolescente usou o seu perfil na rede social para desabafar sobre a situação dramática.

PUBLICIDADE

A mãe de uma adolescente de 14 anos usou o seu perfil nas redes sociais para poder fazer um desabafo sobre o drama que a família está vivendo. Nesta última segunda-feira, 14 de março, a mulher falou sobre o sentimento de angústia e revolta depois que a estudante foi picada por um inseto na horta da escola.

PUBLICIDADE

O fato ocorreu na Escola Estadual Doutor Mario Toledo de Moraes, que fica localizada em Laranjeiras, município de Caieiras, região metropolitana do estado de São Paulo. A estudante está hospitalizada e existe um grande risco que a perna necessite ser amputada. Segundo informação da mãe, a filha foi atendida pela primeira vez no Hospital de Laranjeiras, local onde a adolescente foi submetida a drenagens e medicações.

Após ter passado 15 dias, elas retornaram a unidade porque a perna da menina havia piorado. O médico que prestou atendimento optou por internar a menina alegando que a bactéria que a paciente contraiu depois de ter sido picada pelo inseto seria resistente.

PUBLICIDADE

A atividade escolar que foi feita ao ar livre foi proposta por uma educadora no dia 14 de fevereiro. Os estudantes que participaram tinham que lavar e pintar pneus que seriam usados para confeccionar bancos. Contudo, no local onde foi realizada a atividade havia mato até o joelho, segundo relato da mãe. A diretora da escola disse que foi solicitado à gestão estadual a poda do mato, porém a instituição de ensino não teria tido retorno.

Já a mãe da adolescente fez questão de frisar: “A escola tem vários tipos de aranha e até cobras”. A postagem acabou ganhando repercussão nas redes sociais e chegou ao conhecimento do diretor-geral da Saúde da cidade, Julio Rodrigues, que fez questão de informar que desde que tomou conhecimento do fato tem acompanhado de perto o caso.

A mãe da adolescente disse que não havia recebido nenhum tipo de ajuda da prefeitura do município. O sofrimento da menina estaria tão grande que segundo a responsável ela teria dito preferir a morte. Com risco de uma infecção generalizada, a paciente precisou passar por um procedimento.

No entanto, deve ser necessário mais um procedimento, pois ainda existem partes necrosadas na perna da jovem.