in

Personal, que pegou morador de rua no flagra com sua mulher, defende esposa: ‘Não se trata de uma traição conjugal’

Caso vem repercutindo bastante nas redes sociais desde a última terça-feira (15/03).

Serra Noticiário/Divulgação | UOL/Divulgação

Desde a última terça-feira (15) vem repercutindo bastante a história do personal trainer que pegou no flagra a sua esposa tendo relações com um morador de rua. O fato aconteceu na madrugada da quarta-feira (9/3), e câmeras de seguranças registraram Eduardo Alves, de 31 anos, espancando o mendigo após vê-lo com sua mulher no carro dela.

Publicidade

O personal Eduardo disse, em depoimento para a polícia, que quando viu a cena teve a percepção de que a esposa estava sendo abusada pelo sujeito. No entanto, a mulher confessou posteriormente que a relação foi consensual e que o morador de rua não teve culpa de nada.

A polícia está investigando o caso e teve acesso a áudios que podem explicar o que aconteceu naquele dia. Segundo a mulher, ela saiu com a sogra para ajudar o morador de rua. No contato com ele, a mulher teria pedido para ele fazer carinho em seus pés, abraçado e beijado ele na frente da própria sogra, que deixou o local incrédula com a situação.

Publicidade

Após se dar conta do sumiço da esposa, Eduardo saiu a sua procura até encontrar seu carro estacionado no Jardim Roriz, em Planaltina. Ao se aproximar, viu que a mulher estava tendo relações com o morador de rua. Consternado com a situação, o personal partiu para a agressão.

Publicidade

Nos relatos da esposa de Eduardo, ela disse que viu o rosto do próprio marido no mendigo e, as vezes, via até Jesus. O mariso defendeu a mulher no site Metrópoles, dizendo que ela entrou em um surto psicótico. “Não se trata de uma traição conjugal, e, sim, crime de violência”, disse Eduardo, reforçando sua tese de que a esposa foi abusada.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com