in

Personal trainer que pegou a esposa tendo relações com morador de rua diz que ela não o traiu: ‘surto psicótico’

A história do morador de rua que apanhou viralizou nesta terça-feira (15/03) nas redes sociais.

Serra Noticiário/Divulgação - Metrópoles/Reprodução

O vídeo de um morador de rua sendo agredido, gravado na madrugada da última quarta-feira (09/03), acabou viralizando nesta terça-feira (15) nas redes sociais após a história vir à tona. O personal trainer Eduardo Alves, de 31 anos, flagrou sua esposa tendo relações com o morador de rua já citado e o espancou no Jardim Roriz, na cidade de Planaltina.

Publicidade

Depois de toda a confusão, os três foram conduzidos à 16ª Delegacia de Polícia de Planaltina e cada um contou a sua versão dos fatos. As imagens gravadas por um circuito de segurança servirão de respaldo para as investigações.

Conforme o site Metrópoles, a mulher do personal saiu com sua sogra no intuito de ajudar o morador de rua. Em alguns áudios, a mulher afirma que o mendigo, de 45 anos, teria pedido para fazer carinho nos pés dela. Ela também se sentiu a vontade para abraçá-lo e beijá-lo na frente de sua sogra. Depois disso, o mendigo entrou no carro da mulher e os dois procuraram um lugar mais reservado, já sem sua sogra, que tinha ficado incrédula com a situação. 

Publicidade

Eduardo Alves saiu a procura de sua esposa e encontrou seu carro. Ao se aproximar, viu que a esposa estava tendo relações com o mendigo dentro do carro. O personal imaginou que a mulher estava sendo abusada e começou a espancar o morador de rua. Na delegacia, a mulher garantiu que a relação foi consensual.

Publicidade

O personal contou para a reportagem do Metrópoles que a sua esposa passou por um surto psicótico, e que por isso, para ele, o que aconteceu não foi uma relação extraconjugal consensual. “Não se trata de uma traição conjugal, e, sim, crime de violência”, disse Eduardo.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com