in

McDonald’s, Coca-cola e outras grandes marcas suspendem atividades na Rússia por conta da guerra

Há dias as marcas globais vem sendo boicotadas nas redes sociais após a invasão da Rússia a Ucrânia.

REPRODUÇÃO

Após várias críticas, as grandes empresas globais como Coca-Cola, McDonald’s e Starbucks, cederam a pressão pública e suspenderam suas atividades na Rússia após a invasão da Ucrânia que já resultou na morte de centenas de pessoas. As marcas estavam sendo alvos de boicotes nas redes sociais há dias.

Publicidade

O McDonald’s divulgou nesta terça-feira (8) sua decisão de suspender todas as operações na Rússia e fechar temporariamente os 850 restaurantes no país. Chris Kempczinsk, executivo-chefe da rede de fast-food disse ser uma situação muito difícil para uma marca global como o McDonald’s e que há muitos fatores a serem considerados.

O grupo continuará pagando seus 62 mil funcionários no país e seus diversos fornecedores. A Rússia responde por 9% de seu faturamento. Ainda segundo o executivo-chefe, respeitar os valores da marca significa que não podem ignorar o sofrimento humano sem sentido na Ucrânia.

Publicidade

Por sua vez, a Coca-Cola anunciou a suspensão de suas operações na Rússia. A empresa do ramo de refrigerantes disse em comunicado que continuará monitorando e avaliando o desenvolvimento da situação, e não forneceu detalhes sobre suas atividades específicas na Rússia.

Publicidade

A Starbucks, marca multinacional em cadeia de cafeterias, também comunicou o fechamento temporário de 130 de suas cafeterias na Rússia, de propriedade de um conglomerado do Kuwait. O grupo do Kuwait, que tem licença para operar no país, concordou em suspender as operações das lojas imediatamente e apoiará aproximadamente 2.000 funcionários que dependem financeiramente da Starbucks.

Publicidade

No total, mais de 280 grandes empresas com operações significativas na Rússia comunicaram a suspensão de suas atividades no país, segundo a última lista da Universidade de Yale. Cerca de 30 empresas multinacionais ainda mantiveram suas operações no país.

Publicidade