in

Recém-nascida é encontrada dentro de caixa de papelão em SC; suposta mãe deixou carta: ‘cuida dela’

A mãe da criança telefonou aos socorristas do Samu, indicando o local onde abandonou a criança.

Imagens: SAMU | Montagem: i7 Network

Na noite de terça-feira (1), uma recém-nascida foi encontrada após ser abandonada dentro de uma caixa de papelão em Palhoça, região metropolitana de Florianópolis (SC). Junto com ela, a mãe também deixou uma carta pedindo a alguém que pudesse cuidar da menina.

Publicidade

Segundo uma equipe do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) da cidade, a mãe da criança ligou para a central de atendimento do órgão para dizer que havia abandonado a menina próximo à base de socorristas, no bairro Nova Palhoça, no centro da cidade. Equipes de resgate se separaram para encontrar a recém-nascida, que foi encontrada à beira de um campo a dois quarteirões da base, dentro de uma caixa, isolada com fita adesiva.

A criança estava amarrada, não chorava e, segundo os membros de SAMU, parecia estar bem de saúde. A menina também carregava uma mamadeira e uma carta, que provavelmente dever ter sido escrita por sua mãe.

Publicidade

Na carta, a mulher pedia que cuidassem de suar filha, que teve um dia antes de abandona-la. Alegou não ter condições para o sustento, por ter perdido o emprego após o parto. A mulher encerrou a carta pedindo que não a procurassem, pois estava partindo para o Rio Grande do Sul.

Publicidade

A criança foi levada para Hospital Municipal da Criança e em seguida transferida para o Hospital Universitário de Florianópolis. Após a alta, a menina deve ser encaminhada para um lar temporário na cidade de Palhoça antes dos registros para o sistema de adoção.

Publicidade

A Polícia do Estado de Santa Catarina informou em nota que a Delegacia de Proteção à Infância, Juventude, Mulheres e Idosos da cidade está investigando o incidente. Até agora ninguém foi preso. Nos termos do Código Penal, o abandono de recém-nascido é semelhante ao crime análogo ao abandono de incapaz, punível com pena de prisão de seis meses até dois anos.

Publicidade