in

Após esperar por 11 anos para retirar uma hérnia, homem deixa hospital sem vesícula

Após a repercussão do caso, o médico responsável pelo erro foi afastado de suas funções no Hospital Nossa Senhora da Conceição.

TV Alterosa

Um homem esperou 11 anos para retirar uma hérnia. Após tanto tempo de espera, a cirurgia veio como um alívio, no entanto, não demorou muito para que tudo se tornasse um pesadelo. Isso porque, na verdade, ele saiu do hospital sem a vesícula. De acordo com informações passadas pelo hospital nesta terça-feira, 22, o médico responsável pelo erro foi afastado de suas funções. A Polícia Civil investiga o caso.

Publicidade

Assis Fernandes Sousa, de 57 anos, deu entrada na unidade hospitalar Nossa Senhora da Conceição (HNSC), localizada em Pará de Minas, no início de fevereiro. A cirurgia foi realizada pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Os papéis do encaminhamento continham informações claras sobre o motivo da operação, mas isso não impediu que um erro gravíssimo acontecesse e, diante disso, o trabalhador rural retornou para sua casa, localizada em Conceição do Pará, sem resolver o problema. Ele diz que ele estava na cama, os papéis estavam lá e, inclusive, que os profissionais do local chegaram a perguntar de que ele iria operar.

Publicidade

Devido aos efeitos da anestesia, Sousa acordou apenas um dia após a intervenção cirurgia, foi avaliado por um médico que passou pelo quarto e, mesmo tendo relatado dor, ele recebeu alta médica.

Publicidade

No dia 10, ele acordou sentindo muita dor e, por isso, procurou um posto de saúde. A médica do local informou que somente o profissional que o operou poderia lhe passar algum medicamento. Diante disso, ele viajou cerca de 50 quilômetros e no HNSC acabou sendo informado de que, na verdade, ele havia sido submetido ao procedimento cirúrgico de calculose da vesícula biliar sem colecistite, que consiste na retirada da vesícula.

Publicidade

A profissional que atendeu Assis pediu para ler os papéis da alta e, neste momento, acabou confirmando que realmente haviam subtraído o órgão do paciente e, inclusive, que nenhum problema foi diagnosticado no mesmo.

Publicidade