in

Primeira trans a chegar ao posto de coronel no Brasil é policial militar e não parece ter a idade que tem

Maria Antônia é a primeira transexual no Brasil a alcançar o posto do coronel da Polícia Militar.

Reprodução/Redes sociais/Montagem: Higor Mendes

A tenente-coronel da reserva da Polícia Militar do Distrito Federal Maria Antônia retificou seus dados presentes em seus documentos militares, no início deste mês. Além de ser a primeira coronel transexual da corporação, a militar é também a única do país a alcançar a patente.

Publicidade

Compondo o quadro de militares da reserva remunerada desde fevereiro de 2006, hoje, com 60 anos de idade, a oficial reside em um sítio no interior do Rio Grande do Sul. Para chegar onde chegou, Maria Antônia passou por transformações intensas, algumas envolvendo intervenções cirúrgicas.

A militar bateu um papo com a coluna Na Mira, do portal de notícias Metrópoles, e revelou alguns detalhes sobre as mudanças que, querendo ou não, acabam afetando a vida de amigos e familiares.

Publicidade

Publicidade

“Imagine que, há 30 anos, o máximo que a sociedade ouvia era sobre a existência da Roberta Close”, disse ela, afirmando que naquela época pouco se sabia sobre o tema por conta da falta de informação.

Publicidade

Segundo a oficial, sua transição se deu em um processo que se solidificou aos poucos. Para a coronel, cada pessoa tem seu próprio tempo e ser transexual não é questão de escolha, mas sim de realidade.

Maria Antônia relatou ainda que, assim que encerrou seu tempo de serviço na PMDF e foi direcionada à reserva, mergulhou de cabeça no processo de transição segura. Ainda de acordo com ela, em toda a sua existência ela sempre exerceu todos os papéis impostos pela vida e fez sempre o melhor que pôde e da melhor forma possível, mas agora, está dedicando seu tempo para si.

Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.