in

Suspeitando ser alvo de golpe, homem grava momento em que toma o celular de um motoboy para entregar à polícia

Entregador levantou suspeitas após pedir uma selfie para comprovar a entrega que fez momentos antes.

Reprodução/g1 Minas

Um homem escapou de ser vítima de um golpe, em Belo Horizonte, ao tomar o celular de um motoboy que lhe pedia uma selfie para, supostamente, lhe fazer uma entrega. O aparelho foi levado para a Polícia Civil de Minas Gerais.

Publicidade

Segundo o analista de teste de software contou durante uma entrevista concedida ao portal g1 Minas, na última sexta-feira (4) ele recebeu um SMS de um órgão de proteção ao crédito informando que duas instituições financeiras haviam consultado seu score, o que estranhou de imediato.

Mais tarde, no mesmo dia, Paulo recebeu em seu Whatsapp uma mensagem enviada por uma suposta floricultura para tratar de um presente enviado por uma pessoa oculta.

Publicidade

O rapaz ainda chegou a procurar a namorada saber se poderia ter sido ela a responsável pelo envio, porém, ela negou. “Já tinha visto uma matéria no Fantástico sobre o golpe do motoboy e comecei a desconfiar”, explicou.

Publicidade

Além de confirmar alguns dados, a suposta floricultura informou o rapaz a respeito da chegada do motoboy, que lhe entregou um kit de produtos de perfumaria. No local, o entregador informou que necessitaria de uma selfie para comprovar a entrega, porém, no momento o sistema estaria fora do ar e que voltaria mais tarde para tirar uma selfie de seu rosto.

Publicidade

Algum tempo depois, a suposta empresa voltou a entrar em contato solicitando que o mesmo fizesse novo contato com o motoboy. No caminho, Paulo começou a gravar e, ao se aproximar do homem, pegou o celular e correu.

Após tomar o aparelho do suspeito, Paulo verificou que na tela do mesmo aparecia um espaço para uma assinatura de documento de um financiamento de veículo e para prosseguir com a operação se fazia necessária a biometria facial.

“Acredito que ele fez isso tudo para conseguir a minha imagem e concluir o financiamento. O que eu fiz de pegar o celular foi algo arriscado, mas sabia que não era um golpe de violência, mas de enganação. Ele não foi atrás para pegar o aparelho de volta, saiu na moto pela contramão. Agora está com a polícia”, finalizou.

Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.