in

Bolsonaro libera aumento para piso salarial dos professores: ‘Vou dar o máximo’

Presidente se pronunciou sobre o assunto em conversa com apoiadores na última quarta (26).

VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

O chefe do Executivo, Jair Bolsonaro (PL), sinalizou positivamente acerca do aumento salarial no piso dos professores. Indo mais além do que o Ministério da Economia recomendava, o presidente autorizou um acréscimo de 33% nos vencimentos dos docentes. A pasta trabalhava com um aumento de 7,5%.

Publicidade

Diante disso, o salário da categoria pode sair de R$ 2.886,24 para R$ 3.845,34. A pauta tem provocado discussões entre o governo federal, estados e municípios. Os gestores locais temem que o aumento nas cifras salariais acarreta em uma pressão nas contas e amplie os gastos. 

Na Lei do Magistério, o aumento salarial dos professores tem ligação direta ao intitulado valor por aluno do Fundeb, determinado pelo Ministério da Educação, intitulado “Vaaf”. Diante da aprovação do novo Fundeb, o salário dos docentes deve seguir a variação do ICMS e da inflação no período dos últimos dois anos. Neste cenário, o aumento deve ir para a casa dos 33% em 2022. 

Publicidade

Deu o recado

Na última quarta-feira (26), conversando com apoiadores, Bolsonaro se posicionou sobre o assunto e indicou que viabilizará o aumento junto ao ministro da Educação, Milton Ribeiro. “Eu vou seguir a lei. Governadores não querem os 33%, tá? Eu vou dar o máximo que a lei permite, que é próximo disso, ok?”, pontuou o chefe do Executivo. O aumento máximo fica sob o crivo do Ministério da Educação.

Publicidade

Segundo informações da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), o custo com o aumento deve representar R$ 30 bilhões aos estados somente em 2022. De acordo com o site Poder360, este cenário representa um gasto de R$ 3,8 bilhões neste ano. 

Publicidade

Publicidade