in

Prefeito de Capitólio toma decisão após tragédia com desabamento de rocha sobre turistas

Caso comoveu o país e diversos vídeos viralizaram nas redes sociais mostrando o exato momento do acidente.

REPRODUÇÃO REVIDE

Após o trágico acidente com o desabamento de uma grande rocha na região do Lago de Furnas, em Capitólio, Minas Gerais, o prefeito do município, Cristiano Geraldo da Silva (Progressista) disse neste domingo (9) que foi decretado a proibição de veículos aquáticos na cidade.

Publicidade

Ainda segundo o chefe do Executivo, todas as entradas dos cânions e do local intitulado como “Cascatinha”, estarão fechadas, até liberação da Defesa Civil, que efetuará uma perícia na região para identificar possíveis problemas. Cristiano ainda revelou que chegou a um consenso com o prefeito Serginho (PSB), do município de São José da Barra, e ficou acordado que o Vale dos Tucanos ficará fechado. 

“Precisamos de um parecer técnico, de uma equipe técnica, para ter uma avaliação do local e a partir daí criarmos critérios de segurança já pensando em uma fatalidade como essa”, disse o prefeito de Capitólio.

Publicidade

Ainda segundo o político, desde o ano de 2020 que é realizado campanhas de conscientização de cachoeiras na região, reunindo empresas e donos de lanchas. A iniciativa se deu após duas pessoas morrerem no local em função de um fenômeno natural chamado de “tromba d´água”.

Publicidade

As causas do acidente ainda estão sendo apuradas pela Marinha e Polícia Civil. Neste paralelo, o Corpo de Bombeiros segue com uma grande equipe trabalhando na busca por duas pessoas desaparecidas.

Publicidade

De acordo com Cristiano, pelos vídeos que foram divulgados nas redes sociais, as lanchas estavam em um ordenamento marítimo permitido.

Primeira vítima identificada

Na manhã deste domingo (9), a Polícia Civil confirmou a identidade de uma das vítimas fatais do trágico acidente. Júlio Borges Antunes, de 68 anos, estava realizando o passeio na região pela primeira vez, de acordo com o sobrinho revelou em entrevista à Folha de S. Paulo. Outras sete vítimas ainda serão identificadas.

Publicidade