in

Menino de Belford Roxo faleceu após surra e os outros dois foram executados, diz delegado

Os três meninos foram mortos após terem roubado passarinhos na comunidade.

Reprodução G1

Lucas Matheus, Fernando Henrique e Alexandre da Silva foram mortos por traficantes da favela Castelar, em Belford Roxo, em dezembro do ano passado. Os meninos desapareceram no fim de 2020. Nesta quinta-feira (9), a polícia realizou operação em Castelar.

Publicidade

O objetivo era cumprir 56 mandados de prisão. Na última atualização, 31 mandados haviam sido cumpridos. Quinze pessoas já estavam presas. Nesta quinta, 16 foram detidas. Duas prisões em flagrantes também foram feitas na comunidade da cidade da Baixada Fluminense.

Cinco pessoas foram indicadas pela Polícia Civil ao concluir o inquérito que investigava o desaparecimento das três crianças. Eles são ligados à facção criminosa Comando Vermelho. Edgar Alves de Andrade, conhecido como Doca, é um dos líderes do grupo. Ele está foragido.

Publicidade

Ana Paula da Rosa Costa, a Tia Paula, foi morta. Ela atuava como gerente de logística da favela Castelar. Outros dois criminosos foram mortos: José Carlos Prazeres da Silva, o Piranha, chefe do tráfico na favela, e Willer Castro da Silva, conhecido como Stala, gerente do tráfico na Castelar. Houve a prisão de uma quinta pessoa, mas o nome não foi revelado.

Publicidade

Delegado dá detalhes do crime

De acordo com o delegado Uriel Alcântara, titular da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, um dos meninos foi morto ao tomar uma surra dos traficantes. “E eles (traficantes) acham que a solução daquele caso seria matar os outros dois e chamar alguém para levar os corpos para fora da comunidade”, explicou o delegado. A investigação do caso demorou alguns meses. 

Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!