in

Patrono da educação brasileira, Paulo Freire deve ser inscrito no ‘Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria’

Na quinta-feira, 25, a Comissão Educacional aprovou um projeto de lei que inscreve o educador no ‘Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria’.

Reprodução/Divulgação

Na quinta-feira, 25, a CE (Comissão de Educação) aprovou o Projeto de Lei do Senado (PLS) 148/2017, que prevê o nome do educador Paulo Freire sendo escrito no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria. Apresentado no ano de 2017 pela ex-senadora Fátima Bezerra, o projeto recebeu um voto favorável do senador Paulo Rocha (PT-PA), que é relator do caso. Caso não haja recurso, o texto deve seguir para a Câmara dos Deputados.

Publicidade

O professor Paulo Reglus Neves Freire nasceu no dia 19 de setembro do ano de 1921, em Recife. Freire foi graduado em direito, com doutorado em história da educação e filosofia. No entanto, ele se destacou mesmo foi na área da pedagogia, área na qual usava abordagens marcantes por causa da sua preocupação profunda com as injustiças sociais.

O educador entendia a sua profissão como o caminho de construção da cidadania e libertação.

Publicidade

No final dos anos 40 e início dos anos 50, Paulo Freire começou a engendrar a “pedagogia da libertação”. O educador também integrou o governo do ex-presidente João Goulart, época em que coordenou o programa Plano Nacional de Alfabetização, que tinha como principal objetivo tirar ao menos 5 milhões do analfabetismo.

Publicidade

Exilado durante a ditadura militar, Freire passou pela Bolívia e Chile, países nos quais participou de várias ações ao lado de trabalhadores rurais. Foi nesta época, inclusive, que o professor publicou algumas de suas obras mais significativas. Na Europa, o educador trabalhou no Conselho Mundial das Igrejas, onde participava de movimentos sindicais e feministas.

Publicidade
Publicidade