in

Jair Bolsonaro faz duros ataques ao Enem e nega ter visto as provas

Presidente havia se posicionado sobre o exame no início da semana, e voltou a ser questionado hoje (17).

REPRODUÇÃO/FACEBOOK/JAIR BOLSONARO

Cumprindo agenda no Catar, o presidente Jair Bolsonaro voltou a falar sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nesta quarta-feira (17), tecendo fortes comentários e negando que tenha tomado conhecimento das provas que serão aplicadas. O questionamento sobre o assunto se deu porque na última segunda (15), o chefe do Executivo disse que as questões do Enem começavam a ter a “cara do governo”.

Publicidade

Indagado por jornalistas nesta manhã se teria visto as questões do exame, o presidente foi sucinto. 

“Não, não vi. Eu não vejo, não tenho conhecimento”, disparou Bolsonaro, fazendo críticas ao exame.

Publicidade

“Olha o padrão do Enem do Brasil. Pelo amor de Deus! Aquilo mede algum conhecimento, ou é ativismo político? Ou é ativismo também na questão comportamental. Não precisa disso”, pontuou o chefe do Executivo.

Publicidade

As críticas do presidente ao Enem não é algo novo. Desde o período de campanha eleitoral, em 2017, que o político se afirma que exame tem “questões esquisitas”. O Enem 2021 começará a ser realizado neste final de semana. 

Publicidade

A última semana foi marcada por um pedido de demissão em massa dos servidores do Inep, órgão responsável pelo exame. Ao todo, 37 servidores entregaram seus respectivos cargos, alegando pressão psicológica e vigilância velada na produção das provas. 

Nesta quarta-feira (17), Milton Ribeiro, ministro da Educação, foi convocado na Comissão de Educação da Câmara para prestar esclarecimentos.

Visita à estádio

Ainda em sua viagem ao Catar, o presidente Jair Bolsonaro conversou com jornalistas após um passeio de moto, onde visitou o estádio Lusail, palco de jogos na próxima edição da Copa do Mundo. O chefe do Executivo aproveitou para se posicionar a favor da realização do Mundial de seleções a cada dois anos, modelo proposto pela Fifa, mas que encontra resistência das principais confederações.

Publicidade