in

Menino de 10 anos sofre queimadura de 2° grau após ter sido atacado por besouro

O menino ainda está se recuperando da queimadura sofrida após contato com o inseto.

Foto: Daniela Oliveira/arquivo pessoal

Um garoto de apenas 10 anos sofreu queimaduras de segundo grau no pescoço após ter sido atacado por um besouro. O fato aconteceu no final do mês de outubro, em Cuiabá. A criança está fazendo tratamento desde o acidente e ainda não está totalmente recuperado.

Publicidade

A mãe do menino, Daniela Oliveira, disse em uma entrevista ao portal de notícias G1 que havia saído com o garoto e, quando estava retornando para casa, o besouro invadiu o veículo, provocando a queimadura em Danilo.

A mulher contou que o filho gritou, dizendo que estava queimando. “Ele sentiu que tinha um bicho rastejando, mas, como estava escuro, não conseguimos encontrar nada. Quando passei a lanterna no pescoço dele vi que já estava queimado e formando uma bolha”, explicou.

Publicidade

Após chegar em casa, Daniela foi até o carro para procurar o inseto e encontrou o besouro que provocou o ferimento no filho. Ela disse que imaginou que era uma lagarta ou aranha, mas nunca pensou que um besouro causasse esse tipo de queimadura. O bicho é pequeno e aparentemente inofensivo, mas quando se sente ameaçado pode causar queimadura.

Publicidade

A criança está sendo cuidada em casa pela mãe, que é enfermeira, e também conta com a ajuda do pai, que é médico. A família reside perto de um parque e, segundo Daniela, mais dois insetos entraram dentro de casa nesta última quinta-feira, 11 de novembro.

Publicidade

A Unidade de Vigilância em Zoonoses (UVZ) da cidade de Cuiabá explicou que o inseto que provocou a queimadura no menino é da espécie Neoaulacoryssus speciosus, e que eles têm se proliferado de uma maneira mais intensa nos últimos tempos, por causa do período de chuva. Moradores têm compartilhado na internet imagens e relatos sobre a invasão dos besouros no município.

Algumas pessoas já chegaram a dizer que, dependendo do horário, fica complicado dirigir na localidade, devido à grande quantidade de besouros voando. A Vigilância tranquilizou os moradores, afirmando que o inseto não transmite nenhum tipo de doença e que não é venenoso. No entanto, é preciso evitar o contato, por causa do risco de queimadura.

Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.