in

Jair Bolsonaro é indiciado no Tribunal Penal Internacional pelo desmatamento na Amazônia

ONG austríaca acusa o presidente de crimes contra a humanidade, que contribuíram para a morte de 180 mil pessoas.

Estadão

Nesta terça-feira, 12, a ONG austríaca All Rise protocolou uma denúncia perante o TPI (Tribunal Penal Internacional), em Haia, contra o presidente da república Jair Bolsonaro. A acusação aponta que a atitude do presidente de não valorizar as questões ambientais colaborou para o desmatamento da floresta Amazônica no Brasil.

Publicidade

De acordo com a All Rise, as ações de Bolsonaro serviram como impulso ao desmatamento, à destruição dos organismos e dos indivíduos da floresta. Segundo os dados levantados pela ONG, a drástica alteração da Amazônia fez com que a floresta emitisse mais Co2 (gás carbônico) do que é capaz de absorver. Os resultados da modificação do bioma podem ter acarretado 180 mil mortes indiretas durante a administração do atual governo.

Johannes Wesemann, fundador da ONG, em nota, declarou que as ações do presidente tiveram consequências globais, sendo assim, dignas de serem julgadas pelo TPI. “Na denúncia apresentamos provas que mostram como as ações de Bolsonaro têm uma conexão direta com as consequências negativas da mudança climática em todo o mundo”, explicou Wesemann.

Publicidade

A agência de notícias francesa (AFP), afirmou que a denúncia apresentada pela All Rise tem a participação de especialistas de alto nível no âmbito do direito internacional, entre eles Maud Sarlieve, Nigel Povoas e também no âmbito das Ciências, com a presença de Friederike Otto, uma das climatologistas responsáveis pelo último Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Publicidade

Vale ressaltar, que Bolsonaro, além desta denúncia, já foi acusado em outras três no mesmo Tribunal, sendo que uma delas já foi arquivada. Dentre as denúncias já oferecidas, o presidente foi acusado pela má administração das políticas públicas de saúde perante a pandemia de Covid-19 e por incitação ao Genocídio Indígena.

Publicidade
Publicidade
Publicidade