in

Homem sobrevive a duas picadas da cobra mais mortal do mundo, mas sofre com sequela irreversível

A serpente, considerada a mais mortal do mundo, se escondeu próximo ao sofá da casa e o atacou duas vezes.

Metrópoles/Portal String Fixer/Montagem: Higor Mendes

Ian Jones, um britânico de 50 anos de idade, acabou tendo graves sequelas após ser picado duas vezes pela cobra considerada a mais mortal do mundo, segundo informações do portal de notícias The Mirror.

Publicidade

De acordo com o que foi divulgado, Ian, morador do vilarejo de Niton, localizado na Ilha de Wight, na Inglaterra, foi atacado duas vezes por uma cobra-real negra. Os médicos que prestaram socorro ao britânico afirmaram que foi questão de sorte ter sobrevivido aos ataques da serpente, que possui veneno suficiente para tirar a vida de 20 homens adultos.

Ian passou cerca de três semanas em coma no hospital e foi submetido a administração de antídoto, oxigênio e RCP, que são manobras de reanimação cardiopulmonar utilizadas para reverter paradas cardiorrespiratórias.

Publicidade

Apesar de ter tido sorte suficiente para sobreviver, Jones não saiu totalmente ileso do incidente. Por conta do alto grau de mortalidade do veneno da cobra-real negra, infelizmente, ele acabou perdendo a visão definitivamente, além de ter perdido também o movimento das pernas por um tempo.

Publicidade

“As picadas não foram tão dolorosas quanto você pode pensar no início; é uma dor temporária, como quando você pisa em um prego. Mas então o veneno começa a agir rapidamente”, relatou.

Publicidade

Após sofrer o ataque da serpente, o homem ainda teve condições físicas para enviar uma imagem do animal através do WhatsApp para pedir ajuda. O socorro chegou cerca de cinco minutos depois.

Vale ressaltar que cerca de uma semana antes de sofrer os dois ataques da cobra-real negra, que se escondeu próximo ao sofá de sua casa para atacá-lo, Ian havia testado positivo para a Covid-19 pela segunda vez. Agora, com toda razão existente no mundo, ele se considera um homem de sorte por ter sobrevivido ao coronavírus e duas picadas de cobra.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.