in

Após 19 anos do crime que impactou o Brasil, como estão atualmente Suzane von Richitofen e os irmãos Cravinhos

O crime chocou a sociedade brasileira e continua tendo repercussão até os dias atuais.

Jovem Pan

A Menina que Matou os Pais e O Menino que Matou Meus Pais estrearam na plataforma de streaming Amazon Prime. A estreia do longa metragem estava previsto para estrear no cinema no ano passado, mas em virtude da pandemia acabou não acontecendo. A trama conta a história de um dos crimes que chocaram a população brasileira em 2002 e repercute até os dias atuais.

Publicidade

A morte do casal Alfred e Marísia von Richthofen impactou a sociedade especialmente pelo fato do crime ter o envolvimento da filha do casal. Com a estreia dos filmes as pessoas começaram a perguntar como estão hoje em dia os acusados do crime Suzane von Richthofen e os irmãos Cravinhos.

Suzane von Richthofen era namorada de Daniel Cravinhos e juntamente com o irmão Cristian Cravinhos arquitetaram a morte do casal Marísia e Manfred Albert von Richthofen. O crime aconteceu no dia 31 de outubro de 2002, na casa da família, que ficava localizada na reigão da zona sul de São Paulo.

Publicidade

O que aconteceu e como estão atualmente Suzane von Richitofen e os irmãos Cravinhos

Publicidade

O trio foi a julgamento popular no ano de 2006 e Suzane acabou condenada a 39 anos em regime fechado. No entanto, em 2015, ela conseguiu ter a progressão para o regime semiaberto, que concede benefícios de saídas temporárias ao detento. Ela cumpre a pena no presidio de Tremembé, em São Paulo.

Publicidade

Os advogados de Suzane chegaram a pedir na justiça que ela pudesse cumprir o restante da pena em regime semiaberto, porém a solicitação foi negada pelo TJSP em setembro do ano passado. Daniel Cravinhos foi condenado a 39 anos e seis meses de prisão e conseguiu no mês de janeiro de 2020 o regime aberto deixando a penitenciária onde cumpria a pena.

Já Cristian Cravinhos, que teve a condenação de 38 anos e seis meses, havia conseguido autorização para cumprir o restante da pena em regime aberto em agosto de 2017. Contudo, após oito meses acabou se envolvendo em outro crime e foi preso novamente. Ele tentou subornar policias e também era suspeito de ter agredido uma mulher.

Publicidade
Publicidade