in

Bolsonaro tem estado clínico detalhado após ministro da Saúde testar positivo para a Covid-19

Presidente esteve com sua comitiva nos Estados Unidos para participar do Congresso na ONU.

VEJA

Após o ministro da Saúde Marcelo Queiroga testar positivo para a Covid-19, membros que integraram a comitiva presidencial nos Estados Unidos para a reunião da ONU ficarão isolados pelos próximos cinco dias, e posteriormente serão submetidos a novos testes do tipo RT-PCR para saber se contraíram o vírus. A informação foi confirmada pelo secretário de Comunicação do Palácio do Planalto, André de Sousa Costa.

Publicidade

Com isso, o presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores que tiveram contato com Queiroga serão obrigados a ficar em isolamento. O anúncio com a decisão foi feito nesta quarta-feira (22) depois da Anvisa recomendar que as autoridades que tiveram junto ao ministro da saúde fiquem em isolamento por duas semanas. 

Bolsonaro e sua comitiva será submetido a exames da Covid-19 no próximo final de semana e caso testem negativos serão liberados da quarentena, mas continuarão sendo monitorados até completar os 14 dias do último contato com Queiroga.

Publicidade

Infectado, o ministro da pasta ficou nos Estados Unidos, e cumprirá no país o isolamento por 14 dias. 

Publicidade

Bolsonaro

De acordo com informações de André Sousa Costa, Jair Bolsonaro se encontra no Palácio da Alvorada, na residência presidencial e não apresenta sintomas da Covid-19, mas seguirá todos os protocolos determinados pelas autoridades de saúde. 

Publicidade

A comitiva presidencial que viajou aos Estados Unidos contou com cerca de 50 pessoas, mas nem todas tiveram contato com o ministro da Saúde.

Neste período em que esteve no país norte-americano, Bolsonaro protagonizou uma cena comendo pizza na rua, uma vez que restaurantes exigem o comprovante de vacinação para permitir a entrada de clientes em suas dependências. Além disso, o chefe do Executivo ainda foi citado pelo prefeito de Nova York, que informou para ele não vir à cidade, caso continuasse com o posicionamento contrário à imunização. 

Publicidade
Publicidade