in

O homem mais alto do Brasil vive um drama e terá que amputar uma de suas pernas

Joelison Fernandes da Silva mora na Paraíba e terá que amputar sua perna para evitar complicações em sua saúde.

Reprodução/Razões para acreditar

Um verdadeiro gigante brasileiro está vivendo um drama pessoal. Joelison Fernandes da Silva possui 2,37 metros, sendo considerado o homem mais alto do Brasil. Contudo, o gigante está passando por um momento delicado, pois terá que amputar sua perna direita para conter uma infecção em seu pé que já perdura por mais de cinco anos. Joelison, de 36 anos, é conhecido como Ninão, residente da cidade de Assunção, no estado da Paraíba.

Publicidade

De acordo com Joelison, a cirurgia será necessária, pois já faz mais de quatro anos que ele apenas se locomove utilizando uma cadeira de rodas. A doença de Ninão é conhecida como osteomielite e impede que o gigante tenha uma vida normal, pois causa grandes dores. 

A doença acomete os ossos e pode surgir a qualquer momento de nossas vidas, afetando qualquer osso do corpo. A osteomielite é normalmente causada por bactérias, microbactérias ou fungos e tem como principais sintomas dores, febre, vermelhidão e úlceras no local afetado.

Publicidade

Para tratar a doença, é normalmente feito a administração de antibióticos e a limpeza do local de forma cirúrgica, contudo, no caso de Ninão, foi constado que a amputação seria necessária para que a doença não se espalhasse pelo corpo.

Publicidade

Antes de contrair a doença, o gigante brasileiro trabalha realizando propagandas e participando de eventos. Joelison chegou a participar do ‘Programa Silvio Santos’ e do ‘Domingo Legal’, ambos do SBT. Atualmente, o gigante vive apenas com um salário mínimo. 

Publicidade

A cirurgia de Joelison ainda não tem data marcada, entretanto, com a ajuda de alguns influenciadores e de uma deputada, o gigante já conseguiu levantar fundos para a realização da cirurgia e espera faze-la quanto antes. Joelison, também abriu uma vaquinha online para arrecadar fundos para realizar a compra de uma prótese personalizada, logo após a cirurgia.

Publicidade