in

Em caso raríssimo, garoto de 10 anos morre durante brincadeira; avó desabafa e alerta: ‘Dorzinha lá dentro’

A perda inesperada da criança deixou os familiares desolados que desconheciam qualquer problema de saúde dele.

G1

Um garotinho de apenas 10 anos morreu de uma forma inesperada deixando a família desolada. O fato aconteceu na cidade de Cubatão, que fica localizada no interior do estado de São Paulo. A família da criança está desolada com a perda repentina do menino que havia feito aniversário há menos de um mês.

Publicidade

O pequeno Nicollas Rafael completou 10 anos de vida no último dia 17 de agosto. A criança morreu após ter sofrido um mal súbito enquanto estava brincando com os amigos. A mãe contou que o filho não quis festa para celebrar o aniversário, pois tinha o sonho de ganhar um videogame de presente da família.

A mãe de 35 anos, Bruna Rosane, conseguiu realizar o desejo do filho e ainda deu um cachorro de estimação para Nicollas. Ele era considerado um menino animado e feliz e com os presentes ficou ainda mais contente.

Publicidade

O garoto saiu na última terça-feira, 7 de setembro, para poder ir brincar na casa de colegas. Horas depois, a mãe acabou sendo surpreendida com pedidos de socorro. O menino passou mal enquanto estava brincando com os amigos e chegou a pedir água, porém acabou ficando fraco e desmaiando. Os familiares levaram Nicollas ao Pronto Socorro Infantil da cidade.

Publicidade

A criança deu entrada no local antes de 0h, mas a 0h50 o pequeno teve a morte confirmada pela equipe médica. Os profissionais disseram a família que o falecimento teria sido motivado por causas naturais, porém após a realização de exames ficou constatado que Nicollas tinha uma insuficiência cardíaca e um edema agudo pulmonar bilateral.

Publicidade

O problema provoca um acúmulo de líquido no tecido do pulmão e causa a miocardiopatia hipertrófica assimétrica. A enfermidade faz com que haja dificuldade no bombeamento sanguíneo do coração. A doença muitas vezes acaba não sendo diagnosticada.

A avó o menino, Aparecida Célia, de 62 anos, está desolada com a morte do neto e aproveitou a oportunidade para fazer um alerta aos pais. “Faço um alerta para que outras mães não passem pelo que estamos passando. A criança não reclama, a gente não consegue adivinhar. Às vezes ele sentia uma ‘dorzinha’ lá dentro e não soube explicar. Peço que todas as mães prestem atenção nas suas crianças”, desabafou.

Ela fez questão de esclarecer que o objetivo é alertar para que outras famílias não passem pelo mesmo problema. No dia da morte, o menino estava aparentemente bem e não havia feito nenhuma reclamação aos familiares.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.