in

População ocupada aumenta 2,5% no segundo trimestre, diz IBGE

Trabalho por conta própria atingiu recorde de 24,8 milhões de pessoas.

© Tomaz Silva/Agência Brasil

O número de pessoas ocupadas no Brasil subiu para 87,8 milhões no segundo trimestre, um aumento de 2,5% ou mais 2,1 milhões de pessoas, na comparação com o primeiro trimestre de 2021. Dessa forma, a ocupação subiu 1,2 ponto percentual, ficando em 49,6%. Ou seja, menos da metade da população em idade para trabalhar, com 14 anos ou mais, está ocupada no país.

Publicidade

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua e foram divulgados hoje (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O desemprego teve leve queda de 0,6 ponto percentual e ficou em 14,1% no segundo trimestre, com um total de 14,44 milhões de pessoas em busca de trabalho.

De acordo com a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, houve crescimento em várias formas de ocupação, incluindo o trabalho formal com carteira assinada, mostrando uma leve recuperação das perdas provocadas pela pandemia de covid-19.

Publicidade

“Até então vínhamos observando aumentos no trabalho por conta própria e no emprego sem carteira assinada, mas pouca movimentação do emprego com carteira. No segundo trimestre, porém, houve um movimento positivo, com crescimento de 618 mil pessoas a mais no contingente de empregados com carteira.”

Publicidade

O emprego com carteira no setor privado subiu 2,1% no período, totalizando 30,2 milhões de pessoas no segundo trimestre. Na comparação anual, o número ficou estável, interrompendo quatro trimestres sucessivos de quedas, segundo o IBGE.

Publicidade

Ouça na Radioagência Nacional:

Confira outras notícias da Radioagência Nacional.

Informalidade

Os trabalhadores informais somaram 35,6 milhões de pessoas, com uma taxa de 40,6%. Houve aumento tanto em relação ao primeiro trimestre do ano (39,6%, com 34 milhões de pessoas), quanto com o mesmo período do ano passado (36,9%, com 30,8 milhões de pessoas).

A categoria inclui aqueles sem carteira assinada no setor privado e doméstico, empregadores ou empregados por conta própria sem CNPJ e os trabalhadores sem remuneração.

O trabalho no setor privado sem carteira teve um aumento de 3,4% no trimestre, para 10 milhões. Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, o número subiu 16% ou 1,4 milhão de pessoas.

Já o trabalho por conta própria atingiu o patamar recorde de 24,8 milhões de pessoas. O número representa um crescimento de 4,2% na comparação trimestral. Em relação ao mesmo trimestre de 2020, o avanço foi de 3,2 milhões de pessoas, uma alta de 14,7%.

Segundo o IBGE, 52,2% da alta da ocupação total na comparação mensal e 62,7% na anual se devem ao crescimento dos trabalhadores por conta própria sem CNPJ, categoria que somou 19 milhões de pessoas. Isso representa um crescimento de 6,2% na comparação trimestral.

Os trabalhadores subocupados por insuficiência de horas trabalhadas atingiram o recorde de 7,5 milhões de pessoas, alta de 7,3%. Na comparação anual, o crescimento é de 34,4%. Os desalentados, que são as pessoas que desistiram de procurar trabalho devido às condições estruturais do mercado, somaram 5,6 milhões, uma redução de 6,5% em relação ao primeiro trimestre do ano e estável na comparação anual.

O contingente de pessoas subutilizadas, que inclui as desocupadas, as subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas ou na força de trabalho potencial, foi de 32,2 milhões. Isso representa queda de 3% em relação ao primeiro trimestre.

Atividades

Por ramo de atividade, o aumento da ocupação no trimestre foi puxado por alojamento e alimentação (9,1%), construção (5,7%), serviços domésticos (4,0%) e agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (3,8%). A analista da pesquisa explica que restaurantes e hotéis avançaram 7,7% na comparação anual, o primeiro crescimento depois de quatro trimestres de quedas.

“Esse avanço, porém, não faz a atividade voltar ao patamar pré-pandemia, mas é um movimento de leve recuperação, depois de registrar a segunda maior perda de trabalhadores em 2020, atrás do serviço doméstico”, disse Beringuy.

O trabalho doméstico somou 5,1 milhões de pessoas no segundo trimestre do ano, sem variação significativa frente ao primeiro. Na comparação anual, o crescimento registrado foi de 8,4%.

Os empregadores ficaram estáveis nas duas comparações, com 3,8 milhões de pessoas nessa categoria. O setor público somou 11,8 milhões de trabalhadores, uma queda de 4,4% na comparação anual.

O IBGE calcula que o rendimento médio real dos trabalhadores foi de R$ 2.515 no segundo trimestre de 2021, uma redução de 3% frente ao trimestre de janeiro a março deste ano e queda de 6,6% em relação ao mesmo trimestre de 2020. A soma de todos os rendimentos dos trabalhadores ficou estável em R$ 215,5 bilhões.


Publicado em 31/08/2021 – 12:39 Por Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro


Edição: Maria Claudia

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Agência Brasil

Agência pública de notícias da EBC. Informações sobre política, economia, educação, direitos humanos e outros assuntos.