in

Caso Marilda: morte de psicóloga desafia a polícia em MG e mãe desabafa; ‘quero justiça’

Corpo de Marilda Matias foi encontrado dentro do porta-malas do próprio carro, na garagem de casa.

Arquivo pessoal Marilda Matias

A morte da psicóloga Marilda Matias Ferreira dos Santos, de 37 anos, intriga a Polícia Civil de Minas Gerais. O corpo dela foi achado no porta-malas do carro estacionado na garagem da casa onde morava com o companheiro, o veterinário Pedro Antônio de Oliveira Ribeiro Sobrinho, de 62 anos, em Pouso Alegre, sul de Minas.

Publicidade

O homem contou à polícia que saiu para trabalhar no sábado pela manhã. Naquele dia, eles trocaram mensagens pelo celular. Marilda contou ter ido ao petshop. Na volta, ela conseguiu parar o carro de ré na garagem pela primeira vez.

Pouco depois das 11h, ela teria dito ao marido que iria pedalar. Quando o veterinário chegou em casa, por volta das 16h30, não encontrou a esposa. Ele disse à polícia que às 20h, devido à demora para ela chegar, começou a procurá-la pela cidade, indo a delegacias e hospitais.

Publicidade

O homem contou que passou a noite acordado. Na manhã de domingo, conversou trocou mensagens com um amigo do casal que alegou ter conversado com a psicóloga. Segundo este homem, Marilda disse a ele que havia sido ameaçada na rua quando ia ao petshop. A psicóloga, de acordo este amigo, pretendia anotar a placa dos rapazes que a ameaçaram para registrar boletim de ocorrência.

Publicidade

Marido encontrou o corpo e mãe desabafa

O veterinário entrou no carro da esposa para ver se ela havia anotado a placa do carro e encontrou o corpo no porta-malas. Marilda estava vestida de ciclista, usava óculos, capacete, as mãos e os pés estavam amarrados. O homem chamou a polícia.

Publicidade

Luiza Matias, mãe de Marilda, desabafou em entrevista ao Terra do Mandu. A mulher, que mora em Bauru, conta que a filha planejava voltar para a cidade do interior de São Paulo. “Eu quero justiça pelo que fizeram com a minha filha. Eu preciso de ajuda, por favor. Tá doendo muito”, desabafou a empregada doméstica.

A mãe da psicóloga não acredita que a filha tiraria a própria vida. Segundo dona Luiza, Marilda não estava feliz em Pouso Alegre. A Polícia Civil prossegue investigando a morte. Marilda era muito querida na cidade.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!