in

Foto postada no Facebook em 2015 fez jovem negro ser condenado por crime que não cometeu

Defesa precisou recorrer ao STJ após o rapaz ser condenado com base em uma foto publicada no Facebook.

Metrópoles

Um jovem de 25 anos de idade viu sua vida mudar completamente, em 2018, após receber uma intimação solicitando sua presença junto a 11ª Delegacia de Polícia (Núcleo Bandeirante), no Distrito Federal.

Publicidade

Na época, Romário Santos de Jesus trabalhava como estoquista na Ceasa local, e, de repente, se viu como o principal suspeito de roubar um celular no Park Way, no dia 31 de maio do ano citado.

O rapaz foi condenado pelo crime que não cometeu após ser reconhecido pela vítima, em uma foto de 2015, publicada nas redes sociais de um dos suspeitos.

Publicidade

Em uma entrevista concedida ao portal de notícias Metrópoles, Romário afirmou que, após um longo dia de trabalho, estava em sua casa quando foi notificado acerca da intimação para depor na delegacia.

Publicidade

De acordo com o jovem, ele não possui qualquer passagem pela polícia e nunca havia pisado em uma delegacia. “Sempre fui trabalhador. O único lugar que eu ainda saía, além do trabalho, era para o campinho jogar bola com meus amigos ou ministrar aulas de capoeira para a comunidade”, disse ele.

Publicidade

A polícia chegou em Romário após mostrar uma foto publicada em 2015 em um perfil da pessoa que receptou o aparelho celular. Nela, o receptador aparecia ao lado do jovem, que acabou sendo reconhecido pela vítima como o autor do roubo.

Para provar a inocência do rapaz, seu advogado precisou recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que, neste ano, reconheceu que a condenação de Romário se deu com base em provas frágeis e, com isso, decidiu por absolvê-lo.

De acordo com a magistrada Laurita Vaz, as provas nas quais se fundamentou a condenação do rapaz “não se mostram suficientemente para embasar lastrear juízo condenatório, motivo pelo qual se impõe o restabelecimento da sentença de absolvição do paciente.”

Publicidade
Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.