in

Especialista alerta sobre variante Delta e diz se é preciso se preocupar com as crianças: ‘É muito grave’

Durante uma live realizada na cidade de Juiz de Fora, a especialista falou sobre a alta transmissibilidade da variante Delta.

Exame

A variante Delta se tornou um grande pesadelo durante a pandemia do coronavírus. A nova cepa da Covid-19 tem características diferentes, pois já foi confirmado o seu alto índice de transmissibilidade. A declaração foi realizada durante uma live feita junto à Secretária de Saúde da cidade mineira de Juiz de Fora.

Publicidade

Já no começo da transmissão ao vivo, a médica e pesquisadora, Ana Pimentel, enfatizou que a cepa tem todas as condições de transmissibilidade para se tornar dominante no país. A nova variante que é de origem indiana é cinco vezes mais transmissível e, segundo a especialista, cada 100 pessoas contaminadas podem acabar infectando mais 600. Inclusive, explicou que as máscaras do tipo PFF2 são mais eficientes para evitar maior propagação do vírus.

A especialista, pesquisadora da Fiocruz, explicou que já havia uma previsão de uma elevação do número de casos da variante Delta. “A situação é muito séria, é muito grave! Mas não é algo que nos surpreenda”, disse a médica. A cidade já teve a confirmação de oito casos de pacientes que foram contaminados pela cepa.

Publicidade

Infelizmente, as pessoas que receberam as duas doses da vacina contra Covid-19 também estão sujeitas a se infectar com a variante Delta. Por esse motivo, a médica alerta para que todas as pessoas tomem a 3ª dose que já foi anunciada pelo Governo Federal. Essa dose de reforço do imunizante vai começar a ser aplicada no mês de setembro.

Publicidade

A previsão é que esse reforço seja aplicado com a Pfizer. O alerta é que a cepa que surgiu na Índia não respeita vacinados. Os infectados com essa variante da Covid apresentam um quadro clínico diferente.

Publicidade

De acordo com a médica, as crianças tem adoecido mais, sendo considerado algo natural, já que elas não estão sendo imunizadas. No entanto, ela destaca que a cepa não é uma ameaça para a maior parte delas.

Publicidade
Publicidade