in

Em lágrimas, homem negro é obrigado a se despir para provar que não roubou em mercado

O homem foi obrigado a tirar suas roupas, no meio do mercado, para provar que não tinha furtado o local.

Divulgação / Folha

Em uma ida comum ao mercado, um homem negro, de 56 anos, acabou passando por um dos piores momentos de sua vida. Luiz Carlos da Silva foi acusado de furto por seguranças da rede Assaí Atacadista, em Limeira, São Paulo, e obrigado a se despir na frente de clientes e funcionários, para provar que não havia roubado o local.

Publicidade

Homem negro recebe acusação de furto

A situação foi filmada pelas câmeras de segurança do local, que mostraram o momento exato em que o homem foi bordado pela equipe de segurança e obrigado a tirar suas roupas como forma de provar sua inocência, diante da acusação de furto. O caso aconteceu na última sexta-feira, 6 de agosto, e, após o ocorrido, o homem realizou um Boletim de Ocorrência por constrangimento na Polícia Civil.

O homem contou para a polícia que foi abordado por dois seguranças do local. Acusado de roubo, ele foi obrigado a se despir em um canto da loja, na frente dos seguranças e de outras pessoas que estavam realizando compras no local.

Publicidade

Nas imagens captadas pelas câmeras de segurança é possível observar o nervosismo do homem, que caia no choro enquanto estava tirando sua roupa. O nervosismo dele era tão grande que foi necessário que alguns funcionários o acalmasse. “Eu vim aqui pra comprar alguma coisa e me chamam de ladrão“, disse ele.

Publicidade

Luiz Carlos da Silva, segundo seu advogado, estava fazendo uma pesquisa de preços de diferentes produtos no supermercado. Seu plano era, no dia seguinte, voltar ao local com sua esposa e efetivar a compra dis produtos de melhor preço.

Publicidade

Assaí Atacadista se manifesta sobre o caso

O Assaí Atacadista declarou que uma investigação já foi aberta, e os funcionários envolvidos na abordagem foram demitidos. Eles garantiram que se solidarizam com o cliente, repudiam qualquer abordagem invasiva e que estão abertos para ajudar na investigação.

A empresa repudia qualquer ato que infrinja a legislação vigente e os direitos humanos. Considera o respeito como uma premissa fundamental para a boa convivência entre todos e todas”, afirmou o supermercado, em nota.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Tatiane Braz

Estudante, escritora e apaixonada pela verdade, tenho como meta levar a notícia de forma clara e real. Amo ler e percebo a cada dia que um mundo melhor se faz quando o conhecimento que adquirimos é colocado em prática.