in

Caso Henry: defesa de Jairinho faz duros ataques a Monique e revelações vêm à tona: ‘capaz de tudo’

Jairinho permanece cumprindo prisão preventiva na penitenciária Bangu 8, no Rio de Janeiro.

G1

Preso desde o dia 8 de abril, o ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho respondeu, através de sua defesa, as acusações de torturas e de homicídio triplamente qualificado contra o menino Henry Borel, de 4 anos. No documento de petição em que o jornal “O Globo” teve acesso, o médico se apresenta como um “pai carinhoso, presente, amado pelos filhos e por todos os membros de sua família”.

Publicidade

Ainda no documento, Jairinho faz duras acusações à companheira Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe da vítima, apontando “frieza e indiferença” dela. O pedido apresentado pelo advogado do ex-parlamentar à Justiça conta com 29 páginas, e classifica que o cliente teve imagem amplamente afetada, sendo definido como um assassino. 

Selfie citada 

Descrevendo Jairinho como um homem “benévolo”, o documento pontua que a mãe de Henry Borel se mostrou insensível diante da morte do filho, e traz à tona o episódio em que a professora apareceu sorridente em uma selfie tirada na delegacia, pouco antes de prestar depoimento. 

Publicidade

A defesa cita também as cartas escritas pela professora, onde ela se diz vítima de uma armação para proteger Jairinho no início das investigações, e define ela como “capaz de tudo para alcançar seu objetivo”.

Publicidade

Preventiva

A detenção de Monique e Jairinho completa três meses nesta quinta-feira (8). Inicialmente, o casal foi preso de forma temporária.  por estar atrapalhando as investigações da Polícia Civil do Rio de Janeiro. A prisão era por 30 dias, e às vésperas da dupla ser solta, a Justiça acatou o pedido das autoridades e converteu a detenção em preventiva, sem a possibilidade dos dois serem colocados em liberdade.

Publicidade

Durante estes três meses, Monique chegou a testar positivo para a Covid-19 e foi levada para um hospital penitenciário. Por conta da integridade física, a professora, que já foi ameaçada por outras detentas segue em isolamento no presídio Instituto Penal Ismael Sirieiro.

Publicidade
Publicidade