in

Pai que espancou o filho até a morte por tarefa escolar recebe nova punição da Justiça; outra pessoa foi presa

Menino acabou não resistindo aos diversos ferimentos provocados pelo próprio pai e teve morte cerebral.

G1

O caso de morte do menino Elias Emanuel ocorrido na última segunda-feira (28), em Caratinga (MG) gerou forte comoção nacional e revolta. O garoto de 6 anos foi espancado pelo próprio pai por não saber a lição de casa. Internada em estado gravíssimo, a vítima não resistiu aos ferimentos e teve morte cerebral confirmada.

Publicidade

Preso em flagrante pelo crime, o pai do menino, um homem de 26 anos, confirmou às autoridades que foi o autor das agressões contra o menino, e alegou estar alcoolizado. Nesta sexta-feira (2), a Polícia Civil indiciou o agressor por tortura qualificada e morte do garoto.

Em depoimento à polícia, o homem identificado como Werlei Francisco de Oliveira disse ter ficado impaciente com o filho após ele não entender a matéria da escola em um dever de casa. 

Publicidade

O homem agrediu o filho com socos e pontapés, além de uma rasteira, que fez com que a criança batesse a cabeça em um móvel e entrasse em estado de convulsão. Segundo as autoridades, o homem teria tentado desenrolar a língua do menino e chegou a dar um banho nele antes de levá-lo até uma UPA do município.

Publicidade

O garoto deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento de Caratinga em estado gravíssimo, foi intubado e transferido para o Hospital João XXIII, em Belo Horizonte. 

Publicidade

Uma equipe da Polícia Militar foi acionada pelos médicos para acompanhar o caso, devido aos ferimentos graves constatados no corpo da criança. 

O homem de 26 anos foi abordado pelas autoridades, e acabou confessando ser autor da ação criminosa que ceifou a vida do próprio filho.

Outro preso

Antes de ser detido pela PM, Werlei chegou a ligar para a sua esposa, recomendando que ela escondesse uma arma de fogo na residência. A mulher repassou o revólver para o irmão do acusado, de 19 anos, que também foi preso pelas autoridades. 

Publicidade