in

Mulher teria sido morta com 14 tiros a mando do ex-marido; atual namorada desabafa: ‘Só queria ser feliz sendo lésbica’

Ana Paula Campestrini, de 39 anos, foi casada por quase duas décadas com o ex-marido.

UOL | G1 | Divulgação

No último dia 22 de junho, Ana Paula Campestrini, de 39 anos, foi morta com pelo menos 14 tiros por um homem em uma motocicleta. De acordo com as investigações, o crime aconteceu na cidade de Curitiba, Paraná, e foi cometido a mando do ex-marido de Ana, um renomado advogado da cidade. A vítima e o ex-marido foram casados por 17 anos e tiveram 3 filhos.

Publicidade

O casal se divorciou e Ana passou a ser impedida pelo advogado de ver os filhos, sobretudo quando assumiu a homossexualidade e iniciou um novo relacionamento. A mulher foi alvejada quando chegava em casa. O autor dos disparos seria tesoureiro do clube o qual o ex-marido de Ana era presidente.

A polícia analisou as movimentações bancárias do advogado e constatou dois depósitos feitos ao tesoureiro, que seriam provenientes do pagamento pelo crime. Os suspeitos foram presos pelo assassinato da mulher. O divórcio aconteceu no ano de 2018, e, no ano seguinte, Ana conheceu a namorada Luana Melo.

Publicidade

Só queria ser feliz sendo lésbica“, disse a atual companheira de Ana.  Luana ainda revelou que o maior sonho da companheira era poder retomar o contato com os filhos, já que estava sendo impedida de vê-los pelo ex-marido. No dia de sua morte, Ana havia ido até o clube em que o ex é presidente confeccionar uma carteirinha de sócia.

Publicidade

O advogado afirmou que, desta forma, a ex-mulher poderia acompanhar os filhos. Porém, a polícia já constatou que tudo já se tratava de uma emboscada. No último domingo (27), dezenas de pessoas participaram de uma manifestação nas ruas de Curitiba pedindo justiça no caso.

Publicidade
Publicidade
Publicidade