in

Conselho de Ética da Câmara do Rio de Janeiro cassa mandato do vereador Dr. Jairinho

De portas fechadas, o Conselho decidiu por unanimidade cassar o mandato de Dr. Jairinho e decisão irá para Plenário.

Reprodução/Diário do Poder

Nesta segunda-feira (28), de portas fechadas, o Conselho de Ética da Câmara Municipal da cidade do Rio de Janeiro decidiu, por 7 votos a 0, cassar do mandato do vereador do Dr. Jairinho (Solidariedade). Por unanimidade a decisão foi tomada pelo Conselho e será enviada para o Plenário decidir se mantêm a decisão nesta quarta-feira (30).

Publicidade

A decisão tomada pelo Conselho de Ética será publicada através de um decreto legislativo nesta terça-feira (29). Para ser aprovada no Plenário nesta quarta, será preciso que dois terços dos vereadores da Câmara do Rio votem por manter a decisão, ou seja, 34 dos 50 vereadores devem votar para confirmar seu afastamento da casa legislativa.

Resumo do caso de Dr. Jairinho

O vereador Jairinho e sua namorada, Monique Medeiros, são acusados de matar a criança de 4 anos Henry Borel. O menino, filho apenas de Monique, teve uma morte trágica no dia 8 de março deste ano. Segundo peritos, o garoto teve hematomas em seus membros superiores, lesões no crânio e também sofreu ferimentos internamente.

Publicidade

A vítima era enteada do vereador Jairo Souza Santos, chamado de Dr. Jairinho. O casal se encontra preso enquanto o processo ainda corre na justiça. O vereador ainda responde a outras duas acusações de tortura e agressão a crianças.

Publicidade

Decisão da Câmara sobre Dr. Jairinho

Indagado sobre a falta de defesa do réu, o presidente do Conselho de Ética da Câmara do Rio, Alexandre Isquierdo, disse que Dr. Jairinho teve espaço para se defender antes da decisão. Além disso, terá a oportunidade de fazer mais uma defesa na apresentação do projeto de cassação de seu mandato.

Publicidade

Para o presidente da Comissão, é difícil uma reviravolta no Plenário e que o relatório elaborado é bastante completo e de difícil discussão. Para os membros da comissão, a decisão tomada é uma resposta a toda sociedade e que não havia outra decisão a ser tomada a não ser a de cassar seu mandato.

Publicidade