in

Justiça toma decisão sobre jovem que atacou creche em SC e matou cinco pessoas

Fabiano segue preso de forma preventiva aguardando julgamento do caso que impactou a cidade de Saudades (SC).

ND+ | RECORD TV | MONTAGEM INGRID MACHADO

Responsável pela comarca de Pinhalzinho, o juiz Caio Lemgruber Taborda assinou na última quarta-feira (23), a decisão que fixou data para a oitiva do jovem Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, que foi acusado de invadir a creche Pro-Infância Aquarela, em Saudades (SC) e matar cinco pessoas. 

Publicidade

O jovem será ouvido no próximo dia 24 de agosto, em audiência online, dentro da própria prisão em que ele se encontra na cidade de Chapecó. Até o momento, o Poder Judiciário já ouviu seis vítimas e outras 23 testemunhas de acusação. 

A primeira audiência de instrução e julgamento está marcada para o dia 5 de agosto, quando seis vítimas e nove testemunhas apresentarão suas versões do crime bárbaro. No dia 24 de agosto, outras 14 testemunhas serão ouvidas, além do acusado. As vítimas e testemunhas deverão comparecer de forma presencial, preferencialmente. 

Publicidade

Pedido negado 

A defesa de Fabiano Kipper solicitou mais uma vez a realização de exames para comprovar a insanidade mental do adolescente. No entanto, o juiz Caio Lemgruber seguiu a linha do Ministério Público e indeferiu o pedido. 

Publicidade

“Até o presente momento, entendo que o acusado demonstrou possuir plena consciência da ilicitude de seus atos, tanto é que, em tese, planejou com antecedência a prática delitiva, inclusive estudando o local, horário, fragilidade das vítimas e nocividade que as armas causariam no corpo humano”, disse o magistrado, citando ainda o fato do jovem ter questionado quantas pessoas tinha matado naquela manhã no ataque à bárbaro à creche. 

Publicidade

Fabiano chegou a ficar mais de uma semana internado no Hospital Regional do Oeste (HRO), em Chapecó, por ter feito diversos ferimentos no próprio corpo na tentativa de tirar a vida após o ataque, ele acabou sendo contido por populares, e socorrido para o Hospital de Pinhalzinho. Diante do risco de invasão da unidade e linchamento, o adolescente foi transferido para a cidade vizinha, com forte sistema de segurança. 

Publicidade