in

Tias de jovem que matou a mãe e fingiu luto fazem desabafo impactante e pedem justiça: ‘Não tem perdão’

Bruno Eustáquio teve prisão preventiva decretada pela Justiça após conclusão do inquérito.

Metrópoles

O crime de morte cometido pelo jovem Bruno Eustáquio Vieira, de 23 anos, contra a própria mãe Márcia Lanzane, de 44 anos, no litoral paulista, impactou o país nas últimas semanas. A ação criminosa ocorreu em dezembro do ano passado, mas somente com intensas investigações, a Polícia Civil conseguiu constatar de que o caso não foi um acidente e sim um crime.

Publicidade

Após a conclusão do inquérito, o Ministério Público apontou que o jovem cometeu o crime por interesse de herança. Bruno Eustáquio teve a prisão preventiva decretada, e está sendo procurado pela polícia.

A defesa do jovem, por sua vez, nega a acusação. O jovem chegou a fingir luto nas redes sociais, mostrou desespero inicial e chegou a classificar a morte da mãe como acidental, em seus primeiros depoimentos prestados à polícia. 

Publicidade

Desabafo

Em entrevista ao portal G1, as irmãs de Márcia Lanzane detalharam o sentimento vivido após tomarem conhecimento que o próprio sobrinho havia sido o autor do crime, algo constatado por meio de um vídeo de uma câmera de monitoramento da residência em que os dois moravam. Nas imagens, ele aparece entrando em luta corporal com a mãe. 

Publicidade

Mariusa da Quadra detalha que a família suspeitou que Bruno tinha sido o responsável pela morte de Márcia Lanzane, quando o laudo apontou que a morte tinha sido causada por asfixia. A notícia caiu como um choque para os familiares. 

Publicidade

A tia do jovem relata que a família suspeitou dele desde quando o laudo apontou morte por asfixia. O crime ocorreu em 2020, em Guarujá, no litoral paulista. De acordo com ela, para todos da família, apesar das suspeitas, foi um “choque” saber que ele realmente havia matado a mãe.

“Saber que tinha sido ele, para nós, foi um choque, por mais que a gente suspeitasse. Depois que a gente viu as imagens, e que vimos a forma fria como ele tratou a mãe dele, desabou o nosso mundo. Não tem perdão”, desabafou uma das irmãs da vítima. 

Para Minervina Lanzane da Quadra, a notícia da morte da irmã provocada pelo sobrinho também foi impactante. Ela disse que viu o menino crescer, sempre rodeado de carinho. A exemplo de Mariusa, ela reforçou que a ação dele não tem perdão, e que o jovem pague pelo que fez. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade