in

Grávida de siameses que dividem o mesmo coração dá detalhes comoventes da gestação: ‘Podem morrer na barriga’

Grávida de gêmeos siameses, Arlete Pinheiro não perdeu as esperanças e torce para que seus filhos nasçam com saúde.

G1/Montagem: Higor Mendes

Moradora de Cuiabá, capital do Mato Grosso, Arlete do Nascimento Pinheiro, manicure de 22 anos de idade, está no sétimo mês de gestação de gêmeos siameses e está vivendo uma angústia que nenhuma mãe deveria viver: Arlete não sabe se seus filhos sobreviverão.

Publicidade

Unidos pelo tórax, os bebês dividem o mesmo coração, o que torna o caso ainda mais delicado tanto para a mãe e a família quanto para as crianças.

Desde que deu início ao acompanhamento de sua gestação, Arlete recebe suporte de dois médicos. De acordo com ela, ambos os especialistas afirmam que não é possível realizar um procedimento cirúrgico para separar os bebês.

Publicidade

A manicure explica que cada um tem seus próprios rins, estômago, bexiga e demais órgãos, porém, o coração é dividido e, por conta disso, não é possível realizar a cirurgia e as crianças terão que viver desta forma até quando for possível.

Publicidade

Arlete acrescente ainda que sua gestação é complicada e, por conta disso, as crianças podem vir a morrer ainda na barriga. Porém, ela diz que todos estão fazendo o possível e torcendo para que nasçam com saúde.

Publicidade

No momento do parto, Arlete terá todo o suporte de uma equipe especializada, que fará a avaliação necessária para definir se será possível a realização de algum procedimento cirúrgico que prolongue a vida das crianças.

De acordo com a gestante, o médico lhe disse que poderá chegar um momento em que o coração não dê conta de manter os dois corpos. Ela explica ainda que a parte mais dolorida de todo este processo é que as crianças mexem muito e sua filha está apegada à barriga.

“Ela fala: ‘mamãe, eles vão nascer? Eles estão demorando demais pra sair daí’, e eu falo com meu marido: como que vou explicar para ela quando eles saírem e não puderem vir para casa?”, afirmou.

Arlete acrescentou ainda dizendo que está recebendo todo o apoio necessário por parte de suas amigas do trabalho e de seus familiares para manter viva a esperança em dias melhores.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.