in

‘Eu gosto de assassinos, li e pesquisei muito sobre eles’, diz jovem que atacou creche em SC; vídeo

Fabiano Kipper tentou tirar a própria vida após matar cinco vítimas em creche no interior de SC, mas se recuperou dos graves ferimentos.

ND+ | RECORD TV | MONTAGEM INGRID MACHADO

O caso do ataque à creche Pro-Infância Aquarela, em Saudades (SC), ocorrido no início do mês passado, gerou forte comoção nacional e revolta. Armado com um facão, o jovem Fabiano Kipper Mai entrou na unidade de ensino infantil disposto a vitimar o máximo de pessoas possível, e ceifou a vida de cinco pessoas – três delas, bebês menores de 2 anos de idade.

Publicidade

Detido de forma preventiva, o adolescente que ficou mais de uma semana internado no Hospital Regional do Oeste (HRO), em Chapecó, aguarda o andamento do processo, no qual foi indiciado por cinco homicídios triplamente qualificados e outras 14 tentativas de homicídio.

Na última sexta-feira (4), o site “ClicRDC”, exibiu uma entrevista exclusiva com o advogado de Fabiano Kipper, Demetryus Eugênio Grapiglia. Na reportagem, o profissional evidenciou a idolatria do adolescente por assassino, e externou algumas conversas tidas com o cliente na penitenciária em que ele se encontra detido. 

Publicidade

O portal também publicou trechos do diálogo entre Demetryus e o autor do massacre na creche Aquarela. 

Publicidade

– Advogado: “O que a polícia te perguntou no teu interrogatório?

Publicidade

– Fabiano: “Se eu gostava de assassinos”. 

– Advogado: “O que você respondeu?

– Fabiano: “Eu gosto de assassinos, li e pesquisei muito sobre eles.

O jovem ainda foi questionado por Demetryus se os assassinos fossem até a casa dele (Fabiano), onde moram os país, avós e irmã, qual seria a reação dele. O jovem não titubeou ao dizer que os criminosos seriam bem recebidos.

Fabiano planejava atacar a própria escola onde cursava o Ensino Médio, mas pelo fato de não conseguir comprar armas de fogo, o jovem declinou do plano, e decidiu ter a creche como alvo, ciente de que encontraria uma maior fragilidade e conseguiria executar a ação com o uso de armas brancas. 

Veja a entrevista do advogado: 

https://www.facebook.com/watch/live/?v=1157243144783607&ref=watch_permalink&t=76

Luto

Na última sexta-feira (4), o ataque à Escola Pro-Infância Aquarela completou um mês. As cinco famílias que perderam seus entes queridos ainda tentam superar o duro baque sofrido.

Além das três crianças, outras duas funcionárias da unidade foram vítimas fatais do massacre. Um bebê ficou gravemente ferido, mas se recuperou dos ferimentos, e recebeu alta para retornar ao seio da família. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade