in

Bolsonaro faz apelo ao exército e solicita que Pazuello não seja punido pela entidade

Presidente não quer ver comandante punido por apenas participar de ato a favor de seu governo.

Foto: Jorge Hely/Framephoto/Estadão Conteúdo

No dia 23 de maio, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello participou de uma manifestação a favor do governo Bolsonaro. Após a repercussão do caso, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conversou com o comandante do Exército, o general Paulo Sérgio Nogueira e disse ao general que não quer ver o seu ex-ministro punido por participar de um ato pró ao seu governo.

Publicidade

O exército brasileiro se encontra em um momento delicado com o Planalto e o pedido de Bolsonaro a Paulo Sérgio Nogueira aumenta essa crise. Eduardo Pazuello é um general da ativa, de três estrelas e se encontra praticamente no topo da carreira militar, Pazuello é responsável pela logística militar de todo o Exército, entretanto, o general Paulo Sérgio é seu superior hierárquico, desse modo o general pode fazer com que Pazuello sofra com sanções.

Pazuello participou de um passeio de motocicletas na cidade do Rio de Janeiro cujo objetivo era apoiar o presidente Bolsonaro, entretanto, foi o seu ato de subir ao palanque e discursar em favor de Bolsonaro que irritou a Alto-Comando do Exército. O setor é formado por 15 generais de 4 estrelas, sendo encabeçado por Paulo Sérgio Nogueira.

Publicidade

O Alto-Comando do Exército defendeu a punição do ex-ministro, pois o regimento militar nega veementemente manifestações políticas de quem está fardado. Ainda não está definido se Pazuello será punido, entretanto, caso os seus superiores optem pela punição, o ex-ministro poderá ser advertido verbalmente, receber uma repreensão por escrito ou até mesmo ser preso por um período de 30 dias dentro de um quartel.

Publicidade

A possível defesa de Pazuello frente aos seus superiores foi vazada e nela o ex-ministro alega estar apoiando Bolsonaro apenas como cidadão e não como sendo o presidente, ademais o general alega que o presidente não é filiado a um partido político e por isso o evento não teria teor político. O Alto-Comando do Exército deu a entender que tal defesa é absurda e alguns militares defendem a qualquer custo a punição. Vale ressaltar que receber uma punição é visto como uma desonra nas forças armadas.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade