in

Idosa perde filhos, marido e genro para a Covid-19: ‘Chorando sangue’

Uma idosa do Paraná perdeu parte de sua família para o vírus e ainda está com sua filha internada.

Globo

A pandemia mundial de coronavírus faz muitas vítimas. Em alguns casos, famílias inteiras estão sendo devastadas, esse é o caso da família de Dona Maria, que em menos de seis meses perdeu o marido, dois filhos e um genro. Além disso, a idosa ainda está enfrentando a dor de ter uma filha internada em estado grave, lutando para viver.

Publicidade

Mulher teve a família devastada pela doença

Moradora de Francisco Beltrão, oeste do Paraná a idosa tem passado por uma situação de luto eterno. A Covid-19 levou boa parte de sua família. A primeira pessoa que Dona Maria perdeu foi seu marido que faleceu aos 76 anos. Ela contou em entrevista que pegou o coronavírus com o esposo e que ele cuidou dela enquanto pôde, mas logo teve seu quadro de saúde piorado, precisou ser internado e nunca mais voltou. Isso aconteceu em novembro de 2020.

A idosa conta que em março de 2021, com diferença de duas semanas, a idosa presenciou a morte de dois filhos, o primeiro foi Veroni, de 46 anos, em seguida o Osni, de 51 anos, a aposentada conta que os médicos choraram com a família ao dar a notícia do falecimento de seu filho mais velho e que seu neto apenas se ajoelhou no chão em desespero ao saber que nunca mais veria seu pai. Em maio aconteceu o falecimento de seu genro, 55 anos.

Publicidade

Dona Maria chora a dor da ausência

“Meu Deus, eu não estou conseguindo mais, é uma luta atrás da outra né. Você não consegue, você não tem mais nem o que falar mais, é muito triste. Eu peço para ninguém passar por isso, ninguém, eu sei que eu estou chorando sangue e não consigo trazer nenhum mais perto de mim”, desabafou a mulher, que agora precisa manter suas forças para orar pela filha.

Publicidade

Dona Maria e seu Mendonça eram donos de uma mercearia e trabalhavam juntos diariamente. A mulher afirmou que não consegue mais entrar no local sem sentir dor e vazio. Ela afirmou que a imunização precoce da população poderia ter impedido que essa dor acontecesse, não só para ela, mas para todas as pessoas que perderam seus entes queridos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Tatiane Braz

Estudante, escritora e apaixonada pela verdade, tenho como meta levar a notícia de forma clara e real. Amo ler e percebo a cada dia que um mundo melhor se faz quando o conhecimento que adquirimos é colocado em prática.