in

Jovem que atacou creche em SC tentou fugir após ação cruel; motivo para desistência é revelado

Fabiano Kipper tentou tirar a própria vida após matar cinco vítimas em creche no interior de SC.

G1 / RECORD TV

Autor do ataque bárbaro na Escola Pró-Infantil Aquarela, na cidade de Saudades, no início deste mês, o jovem Fabiano Kipper Mai, de 18 anos, se tornou réu no processo que julga as cinco mortes provocadas por ele na unidade de ensino. A decisão foi acatada pela Justiça na última segunda-feira (24), e a defesa do adolescente tem até 10 dias para se manifestar.

Publicidade

No dia 4 de maio, armado com um facão, uma faca – não utilizada, e explosivos de pequeno impacto, o jovem provocou um cenário de terror na creche Aquarela, de Saudades. Disposto a matar, Fabiano fez cinco vítimas fatais, e deixou outro bebê ferido em estado grave. A tragédia só não foi maior pelo fato das professoras conseguirem se trancar com os outros bebês nas salas.

O adolescente de 18 anos ainda tentou investidas contra diversos lugares da unidade escolar. 

Publicidade

Tentativa de fuga 

De acordo com o promotor Douglas Dellazari, responsável por acompanhar o caso, após executar a ação brutal, Fabiano distribuiu artefatos explosivos para tentar afastar intervenção. Ouvindo os barulhos e pedidos de socorro, vizinhos e pessoas que estavam próximas do local foram em direção à creche. 

Publicidade

Neste momento, Fabiano saiu da sala do Maternal 3 em direção à rua para fugir. Contudo, ao se deparar com um grande número de pessoas, algumas inclusive com barras de ferro na mão, ele declinou, e retornou para a escola. Voltando até a sala, o jovem começou a se ferir, mas foi contido e desarmado por populares que foram de encontro com ele após a fuga fracassada. 

Publicidade

Socorrido em estado grave, Fabiano Kipper ficou internado por mais de uma semana, e submetido a um procedimento cirúrgico. Logo após receber alta médica, o jovem foi levado para uma penitenciária de Chapecó, onde se encontra isolado, cumprindo os protocolos sanitários por conta da pandemia do coronavírus. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade