in

Preso em galinheiro e dopado em lixeira: menino de 8 anos foi resgatado em condições desumanas, diz delegado

Garoto foi libertado de cárcere privado na última segunda-feira (18), após denúncia.

G1 - Pinterest - Montagem

Um caso impactante de maus-tratos contra criança foi registrado na última segunda-feira (18), na comunidade Gogó da Ema, em Belford Roxo, no Rio de Janeiro. Um menino autista de 8 anos foi resgatado por uma equipe da Polícia Civil dentro um cubículo, numa espécie de galinheiro, sem comida e água. 

Publicidade

A ação das autoridades foi motivada após denúncias anônimas de vizinhos, que acompanhavam o cenário de tortura que o menino era vítima ultimamente.

Responsável por acompanhar o caso, o delegado Alexandre Neto informou que o garoto era preso em cárcere privado. O menino foi socorrido em condições de desnutrição e desidratado. O estado de saúde, segundo a polícia, é delicado. 

Publicidade

“A criança era mantida em cárcere privado, isolada das demais crianças, sem água, sem alimentação. Foi encontrada suja, mal asseada, sem nenhuma condição, num local totalmente desumano”,  disse o delegado em entrevista ao portal G1. 

Publicidade

Ferimentos

Ainda segundo o delegado, o menino foi encontrado com diversos ferimentos no corpo, e uma situação que caracteriza que ele já vinha sofrendo maus-tratos há um longo tempo. 

Publicidade

De acordo com testemunhas, o menino era dopado e colocado em uma lata de lixo. Quando dormia, a vítima era amarrada na cama.

A mãe e avó da vítima foram detidas e tiveram prisão em flagrante convertida em preventiva. As duas foram indiciadas por crime de tortura e cárcere privado, e se condenadas podem pegar até 15 anos de prisão. Na delegacia, as mulheres alegaram que o menino tinha problemas mentais, e era preso para evitar uma eventual fuga. 

Na residência, ainda moravam outras três crianças, que foram entregues ao Conselho Tutelar. A Polícia Civil segue apurando o caso, e deve ouvir os vizinhos para tentar obter mais informações sobre as torturas que o garoto era vítima. 

Publicidade
Publicidade