in

Advogado de jovem que atacou creche detalha conversa impactante com ele na prisão: ‘É um cachorro que ataca’

Adolescente foi detido após receber alta médica no Hospital Regional do Oeste, em Chapecó.

ND+ | RECORD TV | MONTAGEM INGRID MACHADO

Autor do bárbaro ataque cometido contra alunos e funcionários da Escola Pró-Infantil Aquarela, em Santa Catarina, no início deste mês, o jovem Fabiano Kipper Mai continua detido em uma unidade prisional aguardando o julgamento do inquérito.

Publicidade

Em entrevista exclusiva ao portal ClicRDC, o novo advogado de defesa do adolescente, Demetryus Eugenio Grapiglia, detalhou o teor de duas conversas que teve com o cliente na penitenciária de Chapecó, no Oeste Catarinense. Na última segunda-feira (18), o profissional encaminhou um pedido de Habeas Corpus ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina e ao Superior Tribunal de Justiça. Além disso, o advogado solicitou a realização de um exame de sanidade mental no jovem. 

Irracional

Segundo Demetryus, ele teve duas conversas com Fabiano, e em nenhuma das oportunidades, o jovem conseguiu “conversar coisa com coisa”, e não é capaz de se lembrar de coisas conversadas em um pouco intervalo de tempo.

Publicidade

O advogado classificou o cliente como um “cachorro” que sai para atacar, mas não tem raciocínio sobre o que está realmente fazendo. 

Publicidade

“Ele é tipo um cachorro que ataca uma pessoa, mais ou menos isso. É um ser irracional. Vendo a situação é claro que você fica com raiva, o cara foi lá e matou as crianças, matou as pessoas”, disse o advogado, reforçando que o jovem não teve um motivo justificável para a ação.

Publicidade

Na coletiva de imprensa logo após encerrar o inquérito e encaminhar a documentação para a Justiça, o delegado Jerônimo Marçal negou que o jovem tem agido por impulso ou em função de distúrbios.

O titular das investigações ainda citou todo o planejamento traçado para executar a ação criminosa, que a princípio ocorreria na escola onde ele estudava, mas que em função dele não conseguir as armas de fogo, declinou da ideia e atacou a creche, um local que apresentava uma vulnerabilidade muito maior. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade