in

Médica que atendeu Gael traz revelações fortes sobre lesões nas partes íntimas do menino e sinais de maus tratos

Menino de 3 anos ainda chegou a ser socorrido para Santa Casa de São Paulo, mas não resistiu.

REPRODUÇÃO RECORD TV

O caso de morte do menino Gael de Freitas Nunes, de 3 anos, ocorrido na última segunda-feira (10), em um apartamento na região central de São Paulo, gerou forte comoção nacional, e segue sendo investigado pela Polícia Civil.

Publicidade

Apontada como principal suspeita do crime, a mãe da criança, Andréia de Freitas, está presa no interior de São Paulo, não assumiu a autoria da ação e afirma não se lembrar de momentos que antecederam a morte do filho.

Nesta quinta-feira (13), o programa Cidade Alerta, da RecordTV, trouxe novas revelações sobre o caso. A médica responsável por atender o menino, após as tentativas de reanimação, relatou que a criança apresentava ferimentos nas partes íntimas. A profissional de saúde disse que este cenário poderia indicar que o menino foi agredido em dias anteriores antes de ser morto. 

Publicidade

Segundo as apurações, a médica indicou que os ferimentos podem ser sinais de que Gael era submetido a maus-tratos, o que pode ajudar a polícia na elucidação do caso, e colocar “em cheque”, a versão de que a mãe tenha sofrido um surto psicótico. 

Publicidade

Gael de Freitas vivia com a mãe, a irmã e uma tia-avó no apartamento situado no bairro Bela Vista. Entre os residentes da casa, ele era o único que não possuía uma cama própria. Na segunda-feira (10), ele foi encontrado ferido no chão da cozinha pela tia-avó. O menino estava coberto com uma toalha de mesa. 

Publicidade

Prisão preventiva

Inicialmente, a mãe de Gael foi levada para um hospital psiquiátrico, e posteriormente foi levada para prestar depoimento e realizar exame de corpo de delito. Na terça-feira (11), a Justiça atendeu um pedido da Polícia Civil e converteu a prisão da suspeita de flagrante para preventiva. 

Andréia foi indiciada por homicídio qualificado com meio cruel. Ela se encontra detida na penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo. 

Publicidade